Músicos da Escola Raphael Rabello ministram oficina de choro na Scuola Popolare di Musica di Testaccio, em Roma


Leonor Bianchi

Entre hoje e amanhã, o Laboratorio Choro Testacio, da Scuola Popolare di Musica di Testaccio, em Roma, recebe os músicos brasileiros Henrique Neto e Carlos César (violão e percussão), ambos da Escola de Choro Raphael Rabello, de Brasília.

No podcast você vai ouvir trechos do concerto de choro que o duo apresentou na abertura da workshop, além de entrevistas com os mesmos, o coordenador do Laboratorio, Giovanni Guaccero, e com o pesquisador de choro Raffaele Bella.

Henrique Neto e da Giovanni Guaccero

Henrique Neto e da Giovanni Guaccero

O workshop ‘Lo choro brasiliano: armonia, improvvisazione, ritmo e interazione tra gli strumentip strumenti a corde, fiati e percussionit’ tem como base os tópicos abordados no “Manual do Choro” escrito pelo sete cordas Henrique Neto e publicado há um ano:

- a percepção harmônica

- os diferentes ritmos (choro, samba, polca, maxixe, etc.)

- a condução do baixo e das “baixarias”

- o fraseado melódico e as figuras de ornamentação

- a improvisação, a forma e a estrutura harmônica do choro

- a interação do grupo

- a roda de choro

Para o coordenador do Giovanni Guaccero, será uma grande oportunidade para os músicos do seu país absorverem informações sobre o ensino do choro no Brasil e aprenderem de uma maneira melhor o jeito de tocar o gênero.

Laboratorio Choro Testacio

Pesquisador e amante da música popular brasileira, Guaccero conta sua trajetória até a curica do Laboratorio Choro Testacio.

“De várias formas, lidei com a disseminação da música brasileira no final da década de 1980. A partir do ano 2000 comecei a lecionar harmonia e composição na Escola Popular de Música de Testaccio, onde montei o ” Laboratório da Canção Brasileira” em 2010/ 2011.

Desde o início, integramos a atividade do laboratório com seminários de artistas brasileiros, incluindo Guinga , que em maio de 2011 realizou uma oficina inesquecível, que deixou uma marca em muitos de nós.

O interesse pelo choro está intrinsecamente ligado ao amor que sinto pela música brasileira, que começou em meados dos anos de 1970, quando eu era menino. Mas certamente o seminário de Guinga deu o impulso a uma série de eventos, que me levaram a colaborar, a partir de 2013, com a dupla ítalo-brasileira Choro de Rua , formada pela flautista italiana Barbara Piperno e o guitarrista brasileiro de 7 cordas Marco Ruviaro.

Um segundo seminário de Guinga, em 2016, e o seminário de choro realizado pela dupla  Choro de Rua, em 2017, convenceram-me a propor o estabelecimento de um ano acadêmico verdadeiro e adequado para o ano acadêmico de 2017/ 2018. O Laboratório Choro, a partir de 2018/ 2019, aproveita a colaboração permanente do cavaquinista Fabio Falaguasta , “fresco” de suas experiências de estudo no Rio de Janeiro, em especial na Casa do Choro, no Rio de Janeiro.

Por alguns anos minha atividade de divulgação da música brasileira tem se expandido graças à possibilidade de organizar master classes, reuniões e seminários no Conservatório de Música “Reggio Calabria”, onde leciono desde 2007: além do já mencionado Choro de Rua, Gilson Silveira, quero lembrar das inesquecíveis reuniões no Conservatório com Gilberto Gil , e com Yamandu Costa , realizadas em outono de 2017.

Atualmente trabalhamos em outras iniciativas entre Testaccio e Reggio Calabria na esperança de contribuir cada vez mais para a disseminação do choro”, conta Giovanni Guaccero.

Concerto de choro com o Duo Henrique Neto e Carlos César

O duo do guitarrista Henrique Neto e do percussionista Carlos César apresenta um repertório que abrange os mais tradicionais estilos e compositores brasileiros trazendo a pluralidade da música produzida no Brasil em versões que contemplam a liberdade e a improvisação.

Duo se apresentou ontem durante a abertura do workshop e trechos do espetáculo estão no podcast.

Os músicos Henrique Neto, ao violão, e Carlos César, na bateria, durante a apresentação de ontem, na abertura do workshop

Os músicos Henrique Neto, ao violão, e Carlos César, na bateria, durante a apresentação de ontem, na abertura do workshop

Os arranjos do duo são elaborados a partir das variadas influências que os músicos receberam ao longo de suas carreiras e o resultado é percebido na sonoridade deste encontro musical, ao mesmo tempo clássico e atual, que explora a escola brasileira de violão em suas diversas facetas. O trabalho do duo de

Henrique Neto e Carlos César explora tanto o virtuosismo que sempre notabilizou os grandes guitarristas brasileiros como a delicadeza e lirismo interpretativo que compõe parte importante da alma musical do Brasil.

Os músicos

Henrique Neto, violonista licenciado em música pela Universidade de Brasília, mestrando em Jazz Performance na Universidade de Aveiro (Portugal), Coordenador e Co-Autor do Livro Manual do Choro. Coordenador Pedagógico durante 4 anos e Professor da Escola de Choro Raphael Rabelo em Brasília há mais de 10 anos. Atualmente é Vice-Diretor da Instituição. Violonista do Grupo Choro Livre. Henrique tem presença frequente nos palcos de Festivais de Música pelo mundo. Já se apresentou em mais de 20 países como Dubai, Uruguai, Argentina e Peru, Estados Unidos, Canadá, Espanha, Eslováquia, Áustria, China, Portugal, Irã, Emirados Árabes e Alemanha além de ter tocado com nomes importantes da MPB como Paulinho da Viola, Hermeto Paschoal, Hamilton de Holanda, Danilo Caymmi, entre outros.

Carlos César é baterista e percussionista nascido no Rio de Janeiro, Carlos Cesar vem se apresentando e gravando trabalhos relevantes no cenário da música brasileira. Ao longo de sua carreira, Carlos Cesar acompanhou artistas como Maria Bethânia, Nana Caymmi, Dori Caymmi, Simone, Zélia Duncan, Elza Soares, Dona Ivone Lara, Elton Medeiros, Monarco, Ednardo, Amelinha, Rita Benneditto, Zé Renato, Roberta Sá, Nilze Carvalho, Jaime Alem, Sueli Costa, Zé Menezes, Alfredo Del Penho , Lui Coimbra, Anna Ratto, Edu Krieger, Ana Costa, João Pinheiro, Celso Fonseca, Renata Arruda, Walter Alfaiate, Nicolas Krassik, Zé Paulo Becker, Trio Madeira Brasil, Letícia Tuí, Alexandre Caldi, PC Castilho, Dani Spielman, Roberto Stephson, Sembatuta e o Grupo Garrafieira, entre outros.

O workshop ‘Lo choro brasiliano: armonia, improvvisazione, ritmo e interazione tra gli strumentip strumenti a corde, fiati e percussionit” tem apoio da Embaixada do Brasil na Itália.

 Ouça o podcast