Memória do Choro: O legado de Jacob do Bandolim nesses 45 anos sem o bandolinista 2


Em 13 de agosto de 1969 o Brasil e o mundo perdiam o ‘bandolim mágico’ de Jacob Pick Bittencourt, o Jacob do Bandolim

Por Leonor Bianchi

Numa sexta-feira, 13 de agosto de 1969, o bandolinista e compositor Jacob do Bandolim, ao voltar de uma visita ao flautista, saxofonista e compositor Pixinguinha, chegou em casa sentindo-se mal. Era o segundo infarto e desta vez, fulminante. Jacob faleceu nos braços de sua esposa, na varanda de casa. Dois anos antes, tivera o primeiro infarto ao se apresentar para uma plateia de jovens aficionados por jazz e bossa nova, ao não aguentar a emoção de ser reconhecido pelos “cabeludos”, como costumava dizer, assim que começou a tocar ‘Murmurando’ do compositor Fon Fon, em uma apresentação. No mesmo ano, em 24 de fevereiro de 1967, Jacob Pick Bittencourt tinha concedido um depoimento para o Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro (MIS/ RJ) em que vaticinava a morte do choro, o fim dos quintais e o clima cada vez mais raro do ambiente chorão. Temia, que com seu desaparecimento, o gênero minguasse, acabasse e até morresse. Naquele fatídico 13 de agosto de 1969, Jacob deixava órfã uma legião de adoradores e seguidores e, mais que isso deixava o front do choro num momento essencial em que mais o gênero precisava de seguidores. Hoje, 45 anos depois de sua partida, vemos sua obra sendo gravada e tocada por chorões de todas as idades e por músicos de todas as nacionalidades.

Os legados de Jacob

O legado de Jacob está cada vez mais difundido. O Conjunto Época de Ouro, criado por ele em 1964 e completando 50 anos de atividade este ano, é um desses legados de Jacob. A sonoridade do conjunto, o trabalho de dois e três violões, a autenticidade do repertório, a fidelidade ao choro tradicional, tudo isso são aspectos que trazem o toque e a herança de Jacob do Bandolim.

O jeito de tocar bandolim e tratar as interpretações é uma outra característica bastante marcante em Jacob que estão presentes até os dias atuais na estética sonora do choro brasileiro. Hoje, vemos muito claramente a distinção entre as escolas criadas por Luperce Miranda, com mais mecanismos e palhetada explosiva, e a escola de Jacob, com a palhetada mais estilizada e interpretações que enaltecem a sonoridade límpida do instrumento.

Déo Rian, nome artístico de Deléio Osório Botelho, foi o bandolinista que mais bebeu da fonte de Jacob do Bandolim. Morador de Jacarepaguá e o único com acesso aos ensaios de Jacob, Déo foi seu substituto natural após sua morte.

Em São Paulo, o bastão ficou com Izaias Bueno, que participou em 1955 e 1956 das ‘Noites de Choristas’ realizadas na TV Record por Jacob. Izaias foi o destaque das duas noites de choristas que a TV produziu.

Primeira 'Noite dos Choristas' em 1955. TV Record, São Paulo.

Primeira ‘Noite dos Choristas’ em 1955. TV Record, São Paulo (Coleção Haroldo Capelupi).

Segunda 'Noite dos Choristas', 1956. TV Record, São Paulo.

Segunda ‘Noite dos Choristas’, 1956. TV Record, São Paulo. (Coleção Haroldo Capelupi)

Joel Nascimento foi outro bandolinista que sempre dialogou com a obra e legado de Jacob do Bandolim. Muito amigo do maestro Radamés Gnattali, pediu-lhe para transcrever a parte de orquestra da ‘Suíte Retratos’, de sua autoria, para um conjunto de choro (três violões, cavaquinho e percussão), que resultou numa forma camerística jamais concebida a esta formação instrumental. A peça fora dedicada a Jacob do Bandolim e gravada pelo mesmo em 1964. Em 1973, Joel procurou Radamés e tocou a obra tendo o maestro ao piano. Joel Nascimento foi o primeiro bandolinista, após Jacob, a executar a música de Radamés. Em 1979, gravou com o quinteto reunido por ele – Os Carioquinhas -, a transcrição feita a pedido dele próprio, no LP ‘Tributo a Jacob do Bandolim’. A partir daquele momento, por ser apresentada por um conjunto de choro, ‘Suíte Retratos’ passou a ser tocada no ambiente popular e, desde então, gravada e admirada pelos maiores músicos brasileiros.

O início dos anos 1970 foi difícil para os chorões. A recente morte de Jacob em 1969 somou-se a morte daquele que até hoje é considerado o maior nome do choro: Pixinguinha. Em 1973 e 1974, com as mortes de Pixinguinha, João da Baiana e Donga, respectivamente, num intervalo curto de tempo, começou-se a achar que a coisa para o lado do choro não ia andar bem dali para frente. Aqueles tempos foram de intensa luta para os cariocas, que ao verem o arquivo de Jacob ser vendido para Cinemateca Brasileira de São Paulo por CR$ 50 mil tiveram que correr e de imediato começar a luta para deixar o arquivo de Jacob em sua cidade natal.

Os anos 70 estavam só no começo e um acontecimento iria marcar toda aquela década e os anos seguintes de forma especial no que tange ao choro: o espetáculo Sarau com Paulinho da Viola, Sérgio Cabral e Conjunto Época de Ouro. O Sarau foi em 1973. Déo Rian foi o bandolinista chamado para o lugar de Jacob, e o Conjunto Época de Ouro, que estava parado desde a morte de Jacob compareceu com Dino, César e Damásio nos violões, Jorginho, no Pandeiro e Jonas, no cavaquinho. Participaram, ainda, o flautista Nicolino Cópia (Copinha) e o compositor Elton Medeiros.

Após o Sarau, o choro ganhou fôlego e viu muitos conjuntos, principalmente de jovens, nascerem. Em 1974, Déo Rian lança seu disco ‘Choros de Sempre’ e o Época de Ouro lança seu disco ‘Conjunto Época de Ouro’. O Acervo Jacob do Bandolim é enfim depositado no Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro (MIS/ RJ) e o choro parece respirar novos ares.

Em outubro de 1977 houve o Festival de Choro da TV Bandeirantes, produzido por Roberto de Oliveira. O festival fomentou a formação de mais jovens grupos de choro. Um desses grupos, Os Carioquinhas, foi a base para o que viria a ser a Camerata Carioca, principalmente, por terem participado com Joel Nascimento da gravação para a redução da Suíte Retratos em um disco e espetáculo feitos justamente em homenagem a Jacob do Bandolim.

Os anos 1980 começaram com o choro se renovando e ganhando novos espaços pelo país. A gravadora Marcus Pereira, fundada em 1973, e a Kuarup, de 1978, davam certa vazão à produção de alguns chorões. Muitos ótimos músicos são revelados neste período. Diversos conjuntos de choro são formados. Em 1989, durante a data de 20 anos de morte de Jacob, foi lançado o livro ‘Jacob do Bandolim’, de Ermelinda A. Paz, e uma bela exposição tomou o Centro Musical Jacob do Bandolim em São João de Meriti, para reverenciar a obra e o acervo do mestre do bandolim brasileiro.

Os anos 1990 chegaram com certo fôlego para o gênero e o legado deixado por Jacob estava cada vez mais forte. No Rio de Janeiro estavam em atividade, por exemplo, os grupos: Galo Preto, Dobrando a esquina, Bem Brasil, Vibrações, Nó em pingo d’água, Conjunto Época de Ouro, Rabo de Lagartixa, Conversa de Cordas, Água de Moringa, fora os trabalhos de instrumentistas e compositores como Altamiro Carrilho, Mauricio Carrilho, Mario Pereira, e outros.

Em 1999, nos 30 anos de saudades de Jacob, o Centro Musical Jacob do Bandolim inaugurou sua fonoteca e o disco do momento era o “Noites Cariocas: um grande encontro do choro”, que reuniu Altamiro Carrilho, Paulo Moura, Zé da Velha, Paulo Sérgio Santos, Joel Nascimento, uma cozinha de cordas com base na Camerata Carioca com Mauricio Carrilho, João Pedro Borges, Henrique Cazes, João Lyra, Luiz Otávio Braga, Omar Cavalheiro e Beto Cazes. Outro grupo que se apresentava naquele tempo era a Orquestra de Cordas Brasileiras. E um acontecimento especial para o choro aconteceria ainda em 1999: a criação da Acari Records, primeira gravadora especializada em choro.

A partir do início dos anos 2000, o Acervo Jacob do Bandolim no MIS/ RJ começou a chamar atenção pelo estado de deterioração em que se encontrava. Um grupo de chorões liderados por Déo Rian e o produtor e compositor Hermínio Bello de Carvalho começaram um projeto de recuperação dos fonogramas e fitas magnéticas do arquivo.

Em 2002 é fundado o Instituto Jacob do Bandolim que, em parceria com a Biscoito Fino, promoveria em 2004 o “Ao Jacob, seus bandolins”, espetáculo gravado ao vivo na Sala Cecília Meirelles, no Rio de Janeiro, em que apresentava-se ao público o Instituto Jacob do Bandolim, os bandolins de Jacob devidamente restaurados pelo luthier Tércio Ribeiro e a obra de Jacob tocada pelos maiores chorões do Brasil.

As comemorações dos 85 anos de Jacob do Bandolim e o primeiro ano do Instituto Jacob do Bandolim, em 2003, não passaram em branco. Uma Roda de Choro na Cobal do Humaitá comemorou o lançamento do “Tributo a Jacob – um registro da sua discografia completa”, organizado pelo pesquisador da biografia de Jacob do Bandolim e um dos fundadores do Instituto Jacob do Bandolim (IJB), Sérgio Prata, e Maria Vicência Pugliése. 

Créditos: Alireza Pakdel. Arte cedida gentilmente para esta matéria.

Ilustração de Alireza Pakdel inspirada em fotografia de Jacob do Bandolim. O artista israelense cedeu a arte gentilmente à Revista do Choro, para ilustrar esta matéria.

Nesses 45 anos sem Jacob do Bandolim, muita luta se empreendeu para resguardar seu arquivo e muitas vitórias foram alcançadas, porém, ainda nos perguntamos o porquê de tamanha naturalidade e descaso público para com a ‘memória’. O arquivo que estava num órgão público, abandonado e com sério perigo de se acabar, precisou do esforço de abnegados e apaixonados pelo tema para que um instituto fosse criado para dar apoio à preservação da memória deste importante nome da música brasileira.

Desde 2002, O IJB oferece a recompensa de R$ 2.000 para quem apresentar ao instituto e ao acervo de Jacob qualquer imagem do bandolinista em movimento, com áudio ou não, mas nada apareceu ainda. O que existe é um vídeo de pouco mais de um minuto de Jacob dando uma entrevista, mas o mesmo está sem áudio.

Em 2004, o projeto ‘Todo Jacob’ coordenado pelo Instituto Jacob do Bandolim na figura dos músicos Sérgio Prata e Pedro Aragão digitalizou 350 gravações de Jacob, gerando um total de 16 CD’s.

De todos os legados deixados pelo incrível bandolinista e compositor que foi Jacob, o que mais impressiona e gera expectativa é o seu acervo, composto de cadernos manuscritos de antigos chorões, discos da primeira fase mecânica do disco no Brasil, partituras de diversos choros, rolos de fitas com reuniões musicais e cartas sonoras…

Desde 2002, o Instituto Jacob do Bandolim busca dar apoio ao MIS/ RJ no cuidado deste acervo para que ele possa chegar às futuras gerações. Recentemente foi finalizado o trabalho de digitalização de todo o acervo de Jacob do bandolim com a entrega pelo IJB ao MIS/ RJ dos 122 rolos magnéticos digitalizados em 5.366 arquivos de áudio.

Jacob do Bandolim hoje é o compositor mais tocado e ouvido do choro, ao lado de Pixinguinha. Sua obra está viva em cada grupo de choro e em cada apaixonado por suas melodias. Torcemos para que esta obra continue viva e seu arquivo receba o tratamento que merece. 

Recorte Biográfico

Jacob Pick Bittencourt nasceu em 14 de fevereiro de 1918 na cidade do Rio de Janeiro, mais exatamente na Maternidade Escola da Universidade do Brasil, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro, filho de pai capixaba, farmacêutico, e mãe Polonesa.

Criado na Rua Joaquim Silva, Lapa, foi uma criança incomum. Não podendo sair para brincar na rua, vivia trancado em casa e passou a ouvir um vizinho violinista, que despertou seu interesse por tocar um instrumento musical.

Aos 12 anos ganhou seu primeiro instrumento; um violino, que em pouco tempo foi trocado por um bandolim. Uma amiga da família ao ver o menino Jacob tocando o violino com os grampos de cabelo da mãe disse que ele deveria tocar bandolim e não violino.

Foi aos 13 anos de idade, que Jacob ouviu pela primeira vez um choro. Seu vizinho colocara na vitrola o choro ‘É do que há’, de Luís Americano, recordação que ele levaria por toda vida.

Jacob do Bandolim jovem.

Jacob do Bandolim jovem.

O menino Jacob sempre gostou de frequentar uma loja de música na rua do Senado, Centro do Rio de Janeiro, chamada Casa Silva. Ali, após as aulas, ficava a experimentar cavaquinhos, bandolins, violões… até que um senhor ouvindo-o tocar deu-lhe um cartão para, se quisesse, apresentar-se na Rádio Phillips do Brasil, qual não foi a surpresa de Jacob ao ler o cartão e constatar que o senhor era ninguém menos que o clarinetista Luiz Americano, compositor e intérprete do primeiro choro que ouviu em sua vida. Jacob chegou a ir até à rádio, mas não adentrou a emissora por não se achar ainda preparado.

Vida Musical

Em 1934, com 16 anos, Jacob se inscreveu no ‘Programa dos Novos’, na Rádio Guanabara e venceu 28 concorrentes, recebendo nota máxima de um júri formado, entre outros, por Benedicto Lacerda, Orestes Barbosa e Francisco Alves. Foi imediatamente contratado pela emissora e passou a atuar com o nome de ‘Jacob e sua Gente’ num cast repleto de feras do choro: Benedicto Lacerda, Gente do Morro, Noel Rosa, Augusto Calheiros, Carlos Galhardo, Ataulfo Alves, etc.

‘Programa dos Novos’, na Rádio Guanabara (1934)/  Jornal O Radical (RJ).

‘Programa dos Novos’, na Rádio Guanabara (1934)/ Jornal O Radical (RJ).

Na década de 1930, principalmente a partir da segunda, Jacob firmou-se no ambiente de rádio e trabalhou a partir de então em diversas estações radiofônicas: Rádio Cajuti, Transmissora (atual Rádio Globo), Mayrink Veiga, onde atuava no famoso Programa do Casé e Rádio Ipanema, que posteriormente se tornou Radio Mauá, Rádio Educadora, Fluminense, Rádio Clube do Brasil e Rádio Sociedade.

‘Programa dos Novos’, na Rádio Guanabara. Jornal O Radical (1934). O concurso teve várias eliminatória. Nesta matéria, Jaco aparece entre os classificados, indo à final.

‘Programa dos Novos’, na Rádio Guanabara. Jornal O Radical (1934)/ RJ. O concurso teve várias eliminatórias. Nesta matéria, Jacob aparece entre os classificados, indo à final.

Nota falando do protagonismo que Jacob estava dando ao bandolim com sua atuação musical. 'A Noite Ilustrada', suplemento do Jornal 'A Noite' de 26 de setembro de 1950

Nota falando do protagonismo que Jacob estava dando ao bandolim com sua atuação musical. ‘A Noite Ilustrada’, suplemento do Jornal ‘A Noite’ de 26 de setembro de 1950.

Recorte do Jornal 'A Batalha' (RJ) (19/01/1938).

Recorte do Jornal ‘A Batalha’ (RJ) (19/01/1938).

Em maio de 1940, Jacob se casou com Adylia Freitas, com quem teve dois filhos. Em 1941 nasceu Sergio Freitas Bittencourt, que se tornaria compositor e jornalista, e em 1942, nasce Elena Freitas Bittencourt, que era a paixão de Jacob, sendo ele um verdadeiro pai-coruja.

Por toda segunda metade da década de 1950, Jacob trabalhou contratado pela Rádio Nacional, onde era acompanhado pelo Regional de César Moreno, composto por Arthur Duarte (violão de sete cordas), César Moreno (violão de seis cordas), Índio (cavaquinho) e Luna (pandeiro).

Jacob, ao mesmo tempo em que trabalhava com música, sempre teve outras atividades, mas as contas não fechavam. Um conselho do compositor Ernesto dos Santos – o Donga -, bateu fundo em Jacob. Mais experiente e conhecedor das dificuldades da profissão, Donga convenceu Jacob a prestar concurso público, ideia que o bandolinista abraçou rapidamente, uma vez que só assim via jeito de desenvolver sua expressão e ter certa independência em relação às vontades das gravadoras. Ouvindo atentamente a experiência de Donga, Jacob prestou concurso, sendo nomeado Escrevente Juramentado da Justiça do Rio de Janeiro, porém, continuou tocando cada vez mais seu bandolim.

A discografia de Jacob do Bandolim começa em 1941. A convite de Ataulfo Alves, ele participaria das gravações de ‘Leva Meu Samba’, do próprio Ataulfo e ‘Ai, que Saudades da Amélia’, de Ataulfo Alves e Mário Lago. É de Jacob a levada de cavaco marcante na entrada da música.

A partir de 1947, o bandolinista começa a gravar como solista e vai até 1969 nesta função. Inicialmente acompanhado por César Faria e seu conjunto e posteriormente, depois de 1951 até março de 1960, pelo Regional do Canhoto. Além de ser acompanhado, esporadicamente, por orquestras.

O Nascimento do Conjunto Época de Ouro

Até 1960 Jacob gravava com o Regional do Canhoto, mas nem sempre podia contar com o grupo por conta da agenda cheia do regional, que acompanhava 10 entre 10 cantoras e cantores da época. 

Jacob, então, reúne a sua volta, a partir de seus saraus, um grupo de músicos e fixa um conjunto com Horondino Silva (Dino Sete Cordas), César Faria e Carlos Leite (violões), Jonas Silva (cavaquinho) e Gilberto D’ávila (pandeiro). O nome do conjunto fazia menção à ‘Época de Ouro’ da música brasileira e havia sido o nome de um LP de Jacob, de 1957.

Jacob do Bandolim e seu Conjunto Época de Ouro.

Jacob do Bandolim e seu Conjunto Época de Ouro.

Apesar de gravar os LP’s “Chorinhos e Chorões” (1961) e “Primas e Bordões” (1962) com estes músicos, não eram ainda nomeados como Conjunto Época de Ouro. Isso só acontece a partir de 1964, e a primeira gravação com o nome de Conjunto Época de Ouro só acontece no LP ‘Vibrações’ (1967), com a participação de Jorginho do Pandeiro. Depois, Jacob gravaria o lendário show com Eliseth Cardoso e Zimbo Trio, no Teatro João Caetano (1968), no Rio de Janeiro.

Depoimentos sobre esses 45 anos sem Jacob

Déo Rian – Bandolinista e compositor. Foi o primeiro bandolinista a substituir Jacob do Bandolim no Conjunto Época de Ouro. Completou 70 anos este ano e lança, no dia 6 de setembro, um disco com composições próprias, comemorando seus 70 anos.

“Jacob era rigoroso, disciplinado e exigente. Ótima pessoa, queria sempre o melhor. Foi um amigo. O que eu perguntava, ele esclarecia. Tocava por amor ao gênero.”

Joel Nascimento – Bandolinista, com 25 CD’s/ LP’s individuais gravados a partir de 1966 no Brasil e no exterior. Autor de uma série de composições para bandolim e piano. Foi um dos fundadores do Sovaco de Cobra. Joel Nascimento foi o primeiro bandolinista após Jacob a executar a Suíte Retratos de Radamés Gnattali. É um dos fundadores da Camerata Carioca.

“O Instrumentista e Músico Jacob Pick Bittencourt foi a referência maior para a totalidade dos bandolinistas brasileiros. O instrumentista, músico e artista personalizou a sua arte resultando na formação da Escola do Bandolim Brasileiro. Suas composições populares e de rara beleza chegaram aos adeptos do bandolim de uma forma profunda, sendo assimilada dentro de uma didática própria do grande virtuose”.

Ronaldo do Bandolim – Bandolinista e integrante do Conjunto Época de Ouro desde 1976. Integra também o ‘Trio Madeira Brasil’.

“Em fins de 1967 eu vim morar em Niterói, no Fonseca, vindo de Petrópolis, minha cidade natal. Eu já possuía vários discos e tocava muitos choros do Jacob, quando tive a oportunidade de conhecer o Jonas e o Carlinhos, no auge do sucesso do Jacob e o seu Conjunto Época de Ouro. Apesar do grande Jacob querer me conhecer e me aguardar lá em sua casa por muitas vezes, não o conheci pessoalmente. Por compromissos como trabalho e estudos, esportes e etc… não foi possível. Ele morava em Jacarepaguá. Bem, ele se foi em agosto de 1969 e deixou um legado único para futuros músicos profissionais e amadores. De certa forma, ensinou como agrupar, explorar e funcionalizar os músicos para torná-los mais camerísticos tocando música brasileira e o que chamamos choro (polcas, xótis, maxixes, sambas, valsas…). Como músico foi um dos mais brilhantes que temos conhecimento. Suas gravações são tão perfeitas que aprendemos a gostar de imitá-lo e também aos seus músicos. Bem, como convivi com seus músicos com ele ainda em vida, posso dizer que teria muitas histórias pra contar. Após sua morte e com o passar dos anos, o seu Conjunto Época de Ouro foi reunido para continuar a tocar choro e realizar gravações até hoje. Em 1973, Sérgio Cabral, Paulinho da Viola e Elton Medeiros montaram o belíssimo espetáculo que fez sucesso durante meses no Rio de Janeiro com o Época de Ouro, Déo Rian, Dino, Damásio, César Faria, Jonas e o Jorginho. No início de 1974, o espetáculo de nome ‘Sarau’ começou a viajar ainda em janeiro. O Déo não podia sair da cidade, pois ele já era funcionário público, economista da Embratur. Foi quando estreei profissionalmente no conjunto como sub do grande Déo, até 76, quando ele criou seu próprio conjunto, o ‘Noites Cariocas’ e eu prossegui em seu lugar durante estes últimos 40 anos. O Época de Ouro, em 1976 retomou com sua originalidade com o Carlinhos no lugar do Damásio. De lá pra cá foram muitos shows, gravações e contribuições para com o nome de Jacob e suas belíssimas músicas que muitos conhecem.”

Afonso Machado – Bandolinista, compositor e arranjador, integrante do grupo Galo Preto e da Orquestra Carioca de Choro. Possui vários CDs como intérprete, entre eles Bandolim do Brasil (Rob Digital – 2004) e Que tal? (com a cantora Clarisse Grova – Rob Digital – 2012)

“Posso dizer que comecei a tocar bandolim por causa do Jacob. Meu pai, violonista, possuía inúmeros discos e, entre eles, descobri um que passei a ouvir sem parar, maravilhado com a performance dos músicos que tocavam ali, especialmente Jacob com seu bandolim. Era o disco gravado ao vivo no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, com o show Elizeth Cardoso, Jacob, Zimbo Trio e Época de Ouro. Tempos depois, achei um bandolim esquecido em casa e passei a tirar todas as músicas do disco. Na época, meados dos anos de 1970, não havia professores de música brasileira, e meu primeiro mestre foi Jacob, através dos seus discos. Mais tarde, escrevi o Método do Bandolim Brasileiro, ainda hoje o único do gênero lançado no Brasil, e no texto de apresentação que escrevi está: Considero o bandolim brasileiro um instrumento especial, bem diferente do tradicional napolitano, e isto se deve a Jacob do Bandolim, criador da maneira brasileira de tocar o instrumento, e até hoje a principal escola de bandolim do Brasil, seguida por todos os que passaram a tocá-lo por aqui.”

Jorge Cardoso  Bandolinista e compositor brasileiro diplomado na Itália em bandolim clássico pelo Conservatório Giuseppe Verdi com o maestro Ugo Orlandi. Possui mestrado em musicologia pela Universidade de Brasília (2008). Arquiteto desde 1994, trabalha nos Correios desde 1997. É doutorando na Universidade Federal do Ceará na linha de pesquisa Educação, Currículo e Ensino, eixo temático de ensino da Música. Pesquisa e dedica-se à música popular brasileira, realizando palestras e concertos em vários países.

“A relevância da prática musical de instrumentistas como Jacob do Bandolim foi determinante para a consolidação de uma “Prática do Bandolim Brasileiro”. Sua carreira musical teve atuação de 1933 a 1969, período referente ao apogeu do rádio no Brasil e do desenvolvimento da indústria fonográfica. Seu trabalho como solista, acompanhador, compositor, pesquisador influenciou os aspectos histórico-sociais, técnicos e estéticos da forma de tocar o bandolim brasileiro. O bandolim brasileiro, predominantemente se situa, desde sua origem no contexto do choro carioca. Nesse aspecto, a pesquisa de Jacob estabeleceu o formato de seu bandolim, que serviu de inspiração para a maioria dos bandolinistas brasileiros. Sua paixão pela música portuguesa o fez adotar um modelo de bandolim em forma de uma menor guitarra portuguesa. O estilo de Jacob foi difundido pela rádio e por suas gravações, que serviram de fonte de aprendizado para a maioria dos bandolinistas brasileiros. Estes músicos tiveram no gênero choro uma espécie de guia, onde a tradição oral é um componente relevante para o seu aprendizado e desempenho. As composições de Jacob fazem parte do repertório do choro e constituem fonte de estudo de várias gerações de bandolinistas no Brasil e no exterior. Conforme indicado em entrevistas de músicos, pesquisadores e bandolinistas, o estilo do bandolim de Jacob buscou “inovar sem descaracterizar o choro”, preservando assim as tradições deste gênero (PAZ, 1997). Em seu depoimento ao Museu da Imagem e do Som, (1967) apresentou o choro como um gênero estruturado e com “regras” específicas para sua caracterização (CORTES, 2006). A contribuição de Jacob para o bandolim brasileiro é ampla no sentido em que se refere também ao desenvolvimento e organização do choro como gênero musical. Esta contribuição buscou a preservação de tradições e foi utilizada pela maioria dos bandolinistas no Brasil. O interesse no aprendizado da forma de tocar o bandolim brasileiro tem levado à publicação de materiais, gravação de discos e sua difusão no exterior. Jacob do bandolim foi decisivo para a consolidação da prática do bandolim brasileiro. Tal atividade nos revela uma identidade cultural na atividade de muitos dos bandolinistas brasileiros tendo Jacob como referência principal. O choro, gênero musical que tem se apresentado como contexto da atividade do bandolinista brasileiro teve em Jacob um de seus “construtores” de tradições, sendo estas continuadas por seus seguidores.”

Luís Barcelos – Bandolinista, cavaquinista, compositor e arranjador. Lançou em 2013 o CD “Só Alegria” com Rogério Caetano, Eduardo Neves e Celsinho Silva. Este ano, o instrumentista gravou o disco “Depois das Cinzas”.

“Grande alegria falar de Jacob do Bandolim! Jacob, além de grande renovador do bandolim brasileiro, apontou muitos caminhos para nós, músicos brasileiros. Sempre admirei muito o lado pesquisador, o trabalho feito com a obra de Nazareth, a organização e arranjos das gravações com regionais, o compositor, a preciosidade do disco “Vibrações”, o seu fraseado. Ele cantava com o bandolim! O Jacob bandolinista estava sempre a serviço dessa riqueza, ou melhor, em perfeita harmonia. Isso me inspira muito! Continuamos aprendendo muito com ele !”

Dudu Maia – Produtor musical, bandolinista e compositor. Durante cinco anos foi professor de bandolim da Escola Brasileira de Choro Raphael Rabello (Brasília), onde elaborou uma metodologia própria de ensino do choro e do bandolim brasileiro, que vem aplicando com sucesso no exterior. Desde 2006 viaja com frequência para os Estados Unidos, Canadá e Europa difundindo sua metodologia. Atualmente apresenta e produz o programa “Casa de Som”, no canal 15 da Net Brasília.

Dudu Maia

“Jacob, por ser a maior referência da escola do bandolim brasileiro, destaca-se como um dos maiores ícones do instrumento no mundo. E não para por aí! Seu profundo trabalho de pesquisa nos presenteou com a descoberta e a perpetuação de um verdadeiro baú de tesouros da nossa cultura musical. E mesmo sendo um árduo defensor da tradição e do que é genuinamente brasileiro, apontou novos caminhos para as futuras gerações, através suas brilhantes composições e de suas interpretações e releituras definitivas!”

Danilo Brito – Bandolinista e compositor.

“Acredito que a importância e a influência de Jacob para o choro são incalculáveis. Ele não só influenciou bandolinistas, mas também outros instrumentistas diversos, de sua época até os dias de hoje, e cada vez mais. Sua musicalidade ia além de seu bandolim; não se preocupava somente com o seu instrumento, mas com a beleza da harmonização de todos os elementos, composição, conjunto, estética, etc. Sua arte é natural e verdadeira, com méritos universais, manifestada por meio do choro. Um homem de raríssima inteligência e sensibilidade e que, graças à sua disciplina e seu poder de organização, podemos apreciar a exuberância e, ao mesmo tempo, a simplicidade de sua produção musical, referência para quem quer conhecer choro e se aprofundar no gênero. Jacob foi o máximo como instrumentista, compositor e intérprete do choro; também podia compor e tocar outros gêneros como ninguém. Sua defesa (com unhas e dentes) do que era legítimo artisticamente surtiu efeito, abrindo o coração e os olhos de muitos. Sua música espiritualizada, do coração, talvez já bastasse para difundir o choro pelo mundo em uma só linguagem. Jacob criou um jeito de tocar bandolim completamente diferente de tudo que se tinha ouvido desse instrumento no Brasil e no mundo. Em suas interpretações, percebem-se, nas músicas mais dramáticas, algumas técnicas que podem lembrar uma guitarra portuguesa. Nos choros mais saltitantes, ouvimos sua palheta “repicando”, feito um tamborim. Muitas são as técnicas por ele desenvolvidas, de difícil execução, verdadeiros desafios, até para os bandolinistas mais experientes. Jacob elevou o bandolim a outro patamar, com muitas variedades de sons. Desenvolveu ferramentas indispensáveis ao choro. No livro “O Choro”, - de Alexandre Gonçalves Pinto, o “Animal”, escrito em 1936, sobre os chorões do final do século XIX e começo do XX - admirei-me com a relação de flautistas a perder as contas e pouquíssimos bandolinistas. Da quantidade de bandolinistas existentes hoje pode-se perceber a relevância de Jacob para o bandolim brasileiro. Na minha formação, Jacob teve grande importância; ao lado de Waldir Azevedo, despertou-me para o choro, pouco depois que nasci. Cresci ouvindo os discos e tirando suas músicas de ouvido. Jacob foi, e é, um dos grandes exemplos de inspiração para se fazer tudo bem feito.”

“Acredito que a importância e a influência de Jacob para o choro são incalculáveis. Ele não só influenciou bandolinistas, mas também outros instrumentistas diversos, de sua época, até os dias de hoje, e cada vez mais. Sua musicalidade ia além de seu bandolim; não se preocupava somente com o seu instrumento, mas com a beleza da harmonização de todos os elementos, composição, conjunto, estética, etc. Sua arte é natural e verdadeira, com méritos universais, manifestada por meio do choro. Um homem de raríssima inteligência e sensibilidade e que, graças a sua disciplina e seu poder de organização, podemos apreciar a exuberância e, ao mesmo tempo, a simplicidade de sua produção musical, referência para quem quer conhecer choro e se aprofundar no gênero. Jacob foi o máximo como instrumentista, compositor e intérprete do choro; também podia compor e tocar outros gêneros como ninguém. Sua defesa (com unhas e dentes) do que era legítimo artisticamente surtiu efeito, abrindo o coração e os olhos de muitos. Sua música espiritualizada, do coração, talvez já bastasse para difundir o choro pelo mundo em uma só linguagem. Jacob criou um jeito de tocar bandolim completamente diferente de tudo que se tinha ouvido desse instrumento no Brasil e no mundo. Em suas interpretações, percebem-se, nas músicas mais dramáticas algumas técnicas que podem lembrar uma guitarra portuguesa. Nos choros mais saltitantes, ouvimos sua palheta “repicando”, feito um tamborim. Muitas são as técnicas por ele desenvolvidas, de difícil execução, verdadeiros desafios até para os bandolinistas mais experientes. Jacob elevou o bandolim a outro patamar, com muitas variedades de sons. Desenvolveu ferramentas indispensáveis ao choro. No livro “O Choro”, – de Alexandre Gonçalves Pinto, o “Animal”, escrito em 1936, sobre os chorões do final do século XIX e começo do XX – admirei-me com a relação de flautistas a perder as contas e pouquíssimos bandolinistas. Da quantidade de bandolinistas existentes hoje pode-se perceber a relevância de Jacob para o bandolim brasileiro. Em minha formação, Jacob teve grande importância; ao lado de Waldir Azevedo, despertou-me para o choro, pouco depois que nasci. Cresci ouvindo os discos e tirando suas músicas de ouvido. Jacob foi e é um dos grandes exemplos de inspiração para se fazer tudo bem feito.”

Jane do Bandolim – Bandolinista. Apresenta-se com seu grupo Jane do Bandolim e o Miado do Gato, desde 1997. Em 1993, gravou dois CDs com o Grupo Vou Vivendo: Brasil Revive o Chorinho V. 1 e 2.

"Minha convivência e estudos com o bandolim começou aos 9 anos de idade, por intermédio do meu pai Basílio Corilov, onde estudava pequenos trechos de música clássica e sacra. Até então não conhecia o choro e fui criada musicalmente assim, música clássica, sacra e também o rock'n'roll. Através de uma gravação (programa de radio) tive a imensa felicidade de ouvir Jacob do Bandolim, percebi um universo infinito de possibilidades no bandolim e desde então me dediquei totalmente a pesquisa e interpretação do choro. Meu primeiro material de estudo foi o LP Vibrações que ganhei do meu pai. Isso tudo aconteceu quando ia completar 13 anos. Jacob do Bandolim me trouxe ao choro e as diversas formas de tocar esse instrumento tão maravilhoso".

“Minha convivência e estudos com o bandolim começaram aos nove anos de idade por intermédio do meu pai, Basílio Corilov, quando estudava pequenos trechos de música clássica e sacra.
Até então não conhecia o choro e fui criada musicalmente assim… música clássica, sacra e também o rock’n’roll.
Através de uma gravação (programa de rádio) tive a imensa felicidade de ouvir Jacob do Bandolim. Percebi um universo infinito de possibilidades no bandolim e, desde então, dediquei-me totalmente à pesquisa e interpretação do choro.
Meu primeiro material de estudo foi o LP Vibrações, que ganhei do meu pai. Isso tudo aconteceu quando ia completar 13 anos.
Jacob do Bandolim me trouxe ao choro e às diversas formas de tocar esse instrumento tão maravilhoso”.

Vitor Casagrande – Bandolinista, natural de Piracicaba – SP. É integrante do conjunto Água de Vintém, com o qual gravou o disco “Café da dona Chica”, lançado em 2013 pela gravadora Acari Records.
Vitor Casagrande

“Para mim falar sobre o Jacob do Bandolim é uma grande honra e também uma tarefa muito fácil. Basta dizer que ele foi o máximo! No meu ponto de vista, o Jacob beirou a perfeição inúmeras vezes e levou o bandolim para outro patamar. Ele criou uma “escola” de interpretação que se tornou obrigatória a qualquer estudante de bandolim brasileiro ou músico de choro. Posso dizer sem medo de errar que nunca vi uma gravação do Jacob ser superada por outro bandolinista, aliás, são raros os músicos que ousam gravar o mesmo repertório que Jacob gravou sem mudar completamente o arranjo, pois além de possuir uma execução primorosa, ele buscou arduamente e durante toda vida a perfeição dos seus acompanhadores também. Para confirmar isto, basta escutarmos os playbacks dos discos ‘Chorinhos e Chorões” e também do “Primas e Bordões”, ou o antológico “Vibrações”. O próprio Jacob afirmava que a perfeição do conjunto dispensava os seus solos. Também não se pode esquecer de sua importância como compositor. Com uma obra grande e maravilhosa, Jacob inovou o choro também na sua forma de compor, basta analisarmos seus choros sambados como Bola Preta, Noites Cariocas, Alvorada entre outros, nos quais nota-se um sabor diferente do que tinha sido feito até então. Como instrumentista e amante do choro sinto-me na obrigação de sempre ouvir Jacob e procurar entender de que maneira ele pensava as suas interpretações, variações, ornamentos, composições, e também de aprender sempre algo novo do seu vasto repertório.”

Marcílio Marques Lopes – Bandolinista e arranjador. Integrante do grupo Água de Moringa. Editor dos álbuns “Tocando com Jacob” e “Cadernos de Partitura de Jacob do Bandolim”. Autor de “Harmonia ao bandolim”, editado pela Irmãos Vitale.
Marcíli Lopes

“Jacob do Bandolim é referência para a grande maioria dos bandolinistas, pois alcançou uma sonoridade e uma expressão inigualáveis, sedimentando uma forma madura de tocar o instrumento, um estilo genuinamente nacional. Sempre retorno às suas gravações para me deleitar da forma orgânica e sem exageros da sua performance, a tal ponto que seu estilo pessoal é hoje objeto de estudo de minha pesquisa de doutorado. Jacob foi importante pela consolidação do formato do regional, na linha evolutiva a dos Regionais de Benedito Lacerda e do Canhoto, estabelecendo funções específicas, através de arranjos por vezes sofisticados, num procedimento que vai se refletir nos conjuntos de choro que surgem a partir da década de 1980. Aspecto importantíssimo, e ainda sendo devidamente aquilatado, foi sua obstinação como arquivista, montando um acervo impressionante de partituras e gravações que traçam um panorama decisivo do choro entre o final do séc XIX e a primeira metade de séc. XX.”

Rafael Ferrari – Gaúchobandolinista, atualmente está para lançar um trabalho inédito em duas vertentes, chamado Bandolim Campeiro, tocando pela primeira vez os ritmos gaúchos como a milonga, chamamé e vaneira com o bandolim.
Divulgacao Rafael Ferrari

“Jacob do Bandolim representa para mim a síntese, ainda hoje, da música para o bandolim no Brasil, pois a partir dele é que o bandolim tomou verdadeira projeção e obteve respeito. A partir de Jacob, criou-se a forma do brasileiro tocar bandolim. Jacob trouxe à tona uma forma única de interpretar e compor, e pela primeira vez tocou músicas de outros instrumentos no bandolim, ajudando não só a difundir o instrumento como a música brasileira e seus autores. Fez escola e criou centenas ou talvez milhares de filhos mesmo após sua subida! Acho que não é preciso falar mais.”

André Ribeiro – Bandolinista, integra o Conjunto Subindo a Ladeira, o Regional Paulista e o Choro Bandido.  Atualmente está terminando seu quarto disco, sendo o segundo com o ‘Subindo’.
André Ribeiro

“Tomei a decisão de tocar bandolim após ouvir a música ‘André de Sapato Novo’ interpretada por Jacob do Bandolim. Já havia ouvido a música, mas desta vez pude começar a compreender porque Jacob é, a meu ver, um músico que transcende o “tocar bem”. Não se descobre Jacob ouvindo-o por uma vez. Há que se ouvi-lo muitas vezes, em diferentes momentos e, só então, talvez consigamos compreender a riqueza de seu toque, de sua interpretação. Jacob contribuiu para a música e para o choro de muitas maneiras. Seria preciso um longo texto para exemplificar. Mas o que faz de Jacob especial é, para mim, a verdade que se vê em seu toque, capaz de botar alguém de pé para aplaudir e ao mesmo tempo capaz de levar uma pessoa às lágrimas.”

Alex Mendes – Bandolinista do Conjunto Retratos e criador do portal Chorinho Brasil.

“Acredito que Jacob do Bandolim influenciou toda uma geração de bandolinistas, principalmente quando lançou o LP Vibrações, estava demarcado a partir do lançamento deste LP, as formações de regionais de choro que passaram a ser referência em todo o Brasil. E não podemos nunca esquecer sobre o lado pesquisador de Jacob do Bandolim, um sujeito inquieto que se aprofundou nas músicas de Ernesto Nazareth trazendo muitas de suas melodias para as rodas de choro. Ele também trouxe músicas que se não fosse pelo seu espírito e vontade de preservar o que temos de tradicional, teria se perdido no tempo, como as composições conservadas em seus manuscritos em seu precioso arquivo. Talvez estaríamos mais pobres culturalmente se não fosse Jacob do Bandolim.”

“Acredito que Jacob do Bandolim influenciou toda uma geração de bandolinistas, principalmente quando lançou o LP Vibrações. Estava demarcando, a partir do lançamento deste LP, as formações de regionais de choro que passariam a ser referência em todo o Brasil. E não podemos nunca esquecer o lado pesquisador de Jacob do Bandolim, um sujeito inquieto que se aprofundou nas músicas de Ernesto Nazareth, trazendo muitas de suas melodias para as rodas de choro. Ele também trouxe músicas que, não fosse pelo seu espírito e vontade de preservar o que temos de tradicional, teriam se perdido no tempo, como as composições conservadas em seus manuscritos, em seu precioso arquivo. Talvez estivéssemos mais pobres culturalmente não fosse Jacob do Bandolim.”

Agnaldo Luz – Bandolinista e compositor. Em 2014 lançou o disco “Agnaldo Luz, Luizinho 7 Cordas & Regional – Homenagem a Toco Preto”.

“Meu interesse pela música se deu no final dos anos 90, e o primeiro instrumento que me chegou às mãos foi o cavaquinho. Passava horas e horas palhetando sem saber ao menos um acorde, até encontrar alguns métodos simples e de pouco conteúdo técnico, mas que supriam as necessidades básicas. Alguns anos mais tarde, já possuindo mais intimidade com o instrumento, comecei a procurar referências musicais (meu salário de office boy era pouco para tantos LP’s e livros), tendo em vista que não venho de família com tradição musical. Foi em uma dessas tardes que me deparei com um LP que me deixou curioso: “Jacob do Bandolim, Elizeth Cardoso, Época de Ouro e Zimbo Trio”. Chegando em casa corri para a vitrola, e nunca me esqueci da emoção que senti... Algo forte e muito bom. De pronto decidi: “É isso que eu quero fazer!”. Foi assim que se deu o meu primeiro contato com Jacob. Ao longo de todos esses anos pesquisando, ouvindo e tocando, é que consigo perceber o quão grandioso e importante é o trabalho dele. Em matéria de interpretação (ornamentos, técnica, expressão, etc.), Jacob foi um pioneiro, dando um colorido definitivo ao bandolim brasileiro. Jacob como compositor foi igualmente genial, suas músicas são obrigatórias em qualquer ambiente onde a música é Choro, e são tocadas por diversos instrumentos solistas além do bandolim. Como organizador de conjuntos (conhecidos como “Regional”) Jacob foi um exemplo. Sempre acompanhado pelos melhores músicos de seu tempo, exigia muita disciplina, estudo e comprometimento, e não se apresentava em público sem os devidos ensaios. Seus discos são uma prova disso. O Jacob pesquisador, lado pouco conhecido de sua personalidade, se preocupava em conservar a memória do choro. Possuía um vasto e organizado arquivo contendo milhares de discos e partituras de todas as épocas, além de um programa de rádio semanal chamado “Jacob e seus discos de ouro”, onde abria o seu baú. Para o bandolim, penso que Jacob não foi só importante, mas fundamental. Para o Choro, caso igual, contribuindo de maneira ímpar para a história, preservação e divulgação deste gênero. Para mim, Jacob foi definitivo. Obrigado Jacob!!!”

“Meu interesse pela música se deu no final dos anos 90, e o primeiro instrumento que me chegou às mãos foi o cavaquinho. Passava horas e horas palhetando sem saber ao menos um acorde, até encontrar alguns métodos simples e de pouco conteúdo técnico, mas que supriam as necessidades básicas. Alguns anos mais tarde, já possuindo mais intimidade com o instrumento, comecei a procurar referências musicais (meu salário de office boy era pouco para tantos LP’s e livros), tendo em vista que não venho de família com tradição musical. Foi em uma dessas tardes que me deparei com um LP que me deixou curioso: “Jacob do Bandolim, Elizeth Cardoso, Época de Ouro e Zimbo Trio”. Chegando em casa corri para a vitrola, e nunca me esqueci da emoção que senti… Algo forte e muito bom. De pronto decidi: “É isso que eu quero fazer!”. Foi assim que se deu o meu primeiro contato com Jacob. Ao longo de todos esses anos pesquisando, ouvindo e tocando é que consigo perceber o quão grandioso e importante é o trabalho dele. Em matéria de interpretação (ornamentos, técnica, expressão, etc.), Jacob foi um pioneiro, dando um colorido definitivo ao bandolim brasileiro. Jacob como compositor foi igualmente genial, suas músicas são obrigatórias em qualquer ambiente onde a música é choro, e são tocadas por diversos instrumentos solistas além do bandolim. Como organizador de conjuntos (conhecidos como “Regional”) Jacob foi um exemplo. Sempre acompanhado pelos melhores músicos de seu tempo, exigia muita disciplina, estudo e comprometimento, e não se apresentava em público sem os devidos ensaios. Seus discos são uma prova disso. O Jacob pesquisador, lado pouco conhecido de sua personalidade, preocupava-se em conservar a memória do choro. Possuía um vasto e organizado arquivo contendo milhares de discos e partituras de todas as épocas, além de um programa de rádio semanal chamado “Jacob e seus discos de ouro”, onde abria o seu baú. Para o bandolim, penso que Jacob não foi só importante, mas fundamental. Para o choro, caso igual, contribuindo de maneira ímpar para a história, preservação e divulgação deste gênero. Para mim, Jacob foi definitivo. Obrigado, Jacob!!!”

Elisa Meyer Ferreira – Bandolinista e integrante do grupo Choro das 3. Aos 21 anos de idade realiza apresenta-se com o grupo em turnês internacionais e no Brasil. Compositora e multi-instrumentista, tem cinco CDs lançados, sendo que um deles é de piano solo com obras autorais. Ministrou aulas e se apresentou ao lado de seu grupo no Festival Mandolines du Lunel (França) e Mandolin Symposium (EUA).

“Comecei a tocar bandolim aos 7 anos de idade. Apesar de não ter começado no bandolim por influência direta do mestre Jacob do Bandolim (é impossível se tocar bandolim brasileiro sem qualquer influência deste grande músico que foi o maior representante e desenvolvedor deste instrumento), fiquei totalmente encantada quando fui exposta a obra dele.A complexidade e a beleza das melodias que ele compôs, os bem trabalhados e ensaiados arranjos, a maneira delicada e passional com que ele interpreta Nazareth (mesmo não sendo pianista, considero Jacob um dos melhores interpretes de Nazareth), o timbre claro, melancólico ou saltitante de seu bandolim que sabia chorar como nenhum outro. Aí conheci as incríveis gravações de Jacob tocando com Elizeth Cardozo no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, em 1968, que mostram o lado improvisador e os belos contracantos do Jacob. Todos os bandolinistas que conheço sabem de cor os improvisos que Jacob fez no samba “Barracão”. É música de primeira. Durante as turnês do Choro das 3, ministrei várias aulas sobre o bandolim brasileiro, inclusive passamos uma semana inteira no Mandolin Symposium, na Califórnia, EUA. Tamanha foi a minha surpresa ao descobrir que Jacob tem uma legião de fãs nos Estados Unidos, Austrália, França, Itália, entre outros. Jacob foi um marco definitivo para o desenvolvimento do bandolim brasileiro e para o aprimoramento do choro. Sempre será minha inspiração, me norteando para um caminho onde a clareza sonora, precisão do regional e principalmente a beleza e a verdade musical sejam marcas indeléveis em minha obra.”

“Comecei a tocar bandolim aos sete anos de idade. Apesar de não ter começado no bandolim por influência direta do mestre Jacob do Bandolim (é impossível se tocar bandolim brasileiro sem qualquer influência deste grande músico que foi o maior representante e desenvolvedor deste instrumento), fiquei totalmente encantada quando fui exposta à obra dele. A complexidade e a beleza das melodias que ele compôs, os bem trabalhados e ensaiados arranjos, a maneira delicada e passional com que ele interpreta Nazareth (mesmo não sendo pianista, considero Jacob um dos melhores interpretes de Nazareth), o timbre claro, melancólico ou saltitante de seu bandolim que sabia chorar como nenhum outro. Aí conheci as incríveis gravações de Jacob tocando com Elizeth Cardoso no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, em 1968, que mostram o lado improvisador e os belos contracantos do Jacob. Todos os bandolinistas que conheço sabem de cor os improvisos que Jacob fez no samba “Barracão”. É música de primeira. Durante as turnês do Choro das 3, ministrei várias aulas sobre o bandolim brasileiro, inclusive passamos uma semana inteira no Mandolin Symposium, na Califórnia, EUA. Tamanha foi a minha surpresa ao descobrir que Jacob tem uma legião de fãs nos Estados Unidos, Austrália, França, Itália, entre outros. Jacob foi um marco definitivo para o desenvolvimento do bandolim brasileiro e para o aprimoramento do choro. Sempre será minha inspiração, norteando-me para um caminho onde a clareza sonora, precisão do regional e, principalmente, a beleza e a verdade musical sejam marcas indeléveis em minha obra.”

Maycon Júlio da Silva – Natural de Cordeiro (RJ), bandolinista, integrante do conjunto de choro ‘Os Matutos’. É professor de bandolim na Escola Portátil de Música, no Rio de Janeiro.

“O Jacob do bandolim foi e sempre será uma pessoa muito importante para o choro, para a música popular brasileira e principalmente para o bandolim. Graças a ele e outro grande bandolinista Luperce Miranda, temos uma escola de bandolim brasileiro. O Jacob revolucionou o jeito de tocar o instrumento e me impressiona até hoje com sua delicadeza, nas suas interpretações, nas composições, etc… Foi um músico completo. É uma referência pra mim e acredito que pra todos os bandolinistas. Somos obrigados a conhecer a obra deste gênio da música brasileira. E pro meu trabalho como professor, tem sido maravilhoso, pois aplico aos alunos tudo que ele nos deixou, suas técnicas, levadas e formas de interpretação, que é a verdadeira escola do bandolim brasileiro.”

“Jacob do Bandolim foi e sempre será uma pessoa muito importante para o choro, para a música popular brasileira e principalmente para o bandolim. Graças a ele e outro grande bandolinista, Luperce Miranda, temos uma escola de bandolim brasileiro. O Jacob revolucionou o jeito de tocar o instrumento e me impressiona até hoje com sua delicadeza, nas suas interpretações, nas composições, etc… Foi um músico completo. É uma referência pra mim e acredito que pra todos os bandolinistas. Somos obrigados a conhecer a obra deste gênio da música brasileira. E para o meu trabalho como professor, tem sido maravilhoso, pois aplico aos alunos tudo que ele nos deixou, suas técnicas, levadas e formas de interpretação, que são a verdadeira escola do bandolim brasileiro.”

 

Entrevista com Déo Rian

Nos 45 anos sem Jacob do Bandolim, a Revista do Choro teve um dedo de prosa com o bandolinista Déo Rian. Importante personagem na biografia de Jacob por ter sido o substituto do mestre no Conjunto Época de Ouro, Déo foi testemunha ocular da presença de Jacob no choro, das reuniões caseiras e ensaios a portas fechadas na casa de Jacarepaguá. Neste bate papo Déo nos conta como começou seu envolvimento com o choro, fala sobre seu contato com Jacob e comenta rapidamente sobre o show em comemoração aos seus 70 anos de idade, completados este ano em fevereiro, que acontecerá dia 6 de setembro, na Sala Baden Powell (RJ).

Revista do Choro: Déo Rian, como foi a descoberta do choro na sua vida? Onde? Com quem? Quantos anos tinha? 

Déo Rian: Já nasci no choro. O meu avô, pai da minha mãe, fazia rodas de choro em casa, em Jacarepaguá/RJ, com os tios da minha mãe e amigos do meu pai.  Eu tinha mais ou menos uns 10 anos.

Revista do Choro: Como e quando conheceu Jacob do Bandolim? Como percebia a personalidade de Jacob, era rigoroso, amável?

Déo Rian: Através do Sr. Milton, nosso amigo em comum, no ano de 1961. Jacob era rigoroso, disciplinado e exigente. Ótima pessoa, queria sempre o melhor.

Revista do Choro: Jacob lhe passou lições ao bandolim, ou foi mais informal esse contato? Como foi esse aprendizado com Jacob?

Déo Rian: Não. Foi mais informal. Foi um amigo. O que eu perguntava ele esclarecia.

Revista do Choro: Fale-nos um pouco sobre como era o ambiente de choro naquele tempo…

Déo Rian: Os músicos tocavam por amor ao gênero. Não viviam do choro. Eram amadores. Cada um tinha seu emprego, geralmente fora da música. Existiam vários lugares para se tocar o choro.

Revista do Choro: Qual foi a primeira música de Jacob que você tocou? Aprendeu como, pelo rádio ou foi com o próprio Jacob?

Déo Rian: Música de Jacob não me lembro. Mas a primeira foi um choro Chamado ¨Saudações¨, de Otávio Dias Moura, gravado por Jacob do Bandolim. Aprendi pelo disco de 78 rotações.

Revista do Choro: Quando o passou a  frequentar a casa de Jacob em Jacarepaguá naqueles famosos saraus, tinha-se acesso ao arquivo do Jacob?

Déo Rian: Isso era 1961. Sim, mas só ele mexia no arquivo.

Revista do Choro: Ele franqueava à visitação dos amigos?

Déo Rian: Sim.

Revista do Choro: Comente algum sarau inesquecível que tenha ficado na sua memória? Você tem fotos dessa época?

Déo Rian: Vários. Como os com Tia Amélia, Radamés Gnatalli…  mas não tenho fotos…

Revista do Choro: E o espetáculo ‘Sarau’, como foi o movimento que gerou o espetáculo e como você viu a repercussão do mesmo?

Déo Rian: Paulinho da Viola convidou o Conjunto Época de Ouro. Foi ótimo. O Conjunto Época de Ouro voltou a trabalhar bem e eu também voltei a gravar. Divulgou muito o choro, inclusive o choro despertou interesse em muitos jovens.

Revista do Choro: Você chegou a gravar ou a participar de alguma gravação com Jacob?

Déo Rian: Não. Só gravação na casa dele, informal.

Revista do Choro: Em 1969 Jacob deu aquele depoimento ao MIS/ RJ em que afirmou que o choro estava morto. Esse sentimento era forte entre os chorões naqueles fins dos anos 60 início dos 70? Como era comentada esta afirmativa no ambiente chorão?

Déo Rian: Ninguém acreditava que isso fosse acontecer. Houve uma transformação natural com o passar dos anos a começar com a transformação do mobiliário urbano. Os quintais foram acabando e junto com eles as rodas de choro informais que se realizavam naqueles espaços.

Revista do Choro: A morte de Jacob, em 13 de agosto de 1969, deixou seus seguidores órfãos da presença física do grande bandolinista e compositor. Quais lembranças você guarda daquele momento?

Déo Rian: Foi triste a perda de um mestre e amigo. Os chorões ficaram tristes.

Revista do Choro: Após a passagem de Jacob ‘caiu a ficha’ de que ele tinha deixado um fabuloso e importante  acervo e que este precisava de cuidados para se perpetuar. Como foi o primeiro momento desta luta, ou seja a preservação de seu acervo? O acervo quase vai para outro estado. Como foi para mantê-lo no Rio de Janeiro, cidade natal de Jacob?

Déo Rian: Por pouco não foi para São Paulo. Mas várias pessoas influentes conseguiram que a Souza Cruz comprasse e doasse para o MIS.

Revista do Choro: Uma vez no Rio de Janeiro, o senhor visitava o acervo? Como era sua relação com este material deixado por Jacob?

Déo Rian: Sim. Já conhecia o arquivo; era fácil pesquisar.

Revista do Choro: Quando será lançado o Acervo Digital de Jacob do Bandolim?

Déo Rian: Compete ao MIS.

Revista do Choro: Déo, este ano você completa 70 primaveras. Como estão as comemorações? Haverá mais comemorações nestes próximos meses?

Déo Rian: Será lançado, em breve, um CD com minhas músicas.

Revista do Choro: Tem algum disco vindo aí? 

Déo Rian: Meu CD ‘Déo Rian aos 70’. 

 

Obra:

Composições de Jacob do Bandolim e suas respectivas editoras

Composição                      Editora

1 – A ginga do Mané                 BMG /ADDAF

2 – Agüenta Seu Fulgêncio  BMG /ADDAF

3 – Alvorada                               BMG /ADDAF

4 – Ao Som dos Violões       BMG /ADDAF

5 – Assanhado                            BMG /ADDAF

6 – Baboseira                            BMG /ADDAF

7 – Benzinho                              BMG /ADDAF

8 – Biruta                         FERMATA

9 – Boas Vidas                           BMG /ADDAF

10 – Bola preta           BMG /ADDAF

11 – Bole-bole                           FERMATA

12 – Bonicrates de muleta      ADDAF

13 – Buscapé                         WARNER CHAPPELL

14 – Cabuloso                                ADDAF

15 – Carícia                     BMG /ADDAF

16 – Chinelo velho       BMG /ADDAF

17 – Chorinho na Praia     BMG /ADDAF

18 – Choro de varanda   ADDAF

19 – Chuva                      BMG /ADDAF

20 – Ciumento                        BMG /ADDAF

21 – Cristal                     FERMATA

22 – De coração a coração   ADDAF

23 – De Limoeiro à Mossoró   BMG /ADDAF

24 – Diabinho maluco     BMG /ADDAF

25 – Doce de coco                     FERMATA

26 – Dolente                         WARNER CHAPPELL

27 – Elena                      BMG /ADDAF

28 – Encantamento       WARNER CHAPPELL

29 – Entre mil, …você !     BMG /ADDAF

30 – Escravo                            BMG /ADDAF

31 – Eu e você                          FERMATA

32 – Falta-me você        BMG /ADDAF

33 – Feia                         ADDAF

34 – Feitiço (choro)        BMG /ADDAF

35 – Feitiço (valsa)         BMG /ADDAF

36 – Foi numa festa       BMG /ADDAF

37 – Forró de gala         FERMATA

38 – Gostosinho   FERMATA

39 – Há nos olhos teus paisagem linda       BMG /ADDAF

40 – Heróica                       BMG /ADDAF

41 – Horas vagas BMG /ADDAF

42 – Implicante     BMG /ADDAF

43 – Inocência                   BMG /ADDAF

44 – Isto é nosso BMG /ADDAF

45 – Jamais                   ADDAF

46 – Jeitoso                     BMG /ADDAF

47 – La duchese   BMG /ADDAF

48 – Luar no Arpoador       BMG /ADDAF

49 – Mágoas                     BMG /ADDAF

50 – Meu Lamento         ADDAF

51 – Meu  segredo         BMG /ADDAF

52 – Meu viveiro   BMG /ADDAF

53 – Mexidinha     WARNER CHAPPELL

54 – Migalhas de amor   FERMATA

55 – Mimosa                     BMG /ADDAF

56 – Nego frajola  BMG /ADDAF

57 – No jardim                  BMG /ADDAF

58 – No Retiro do João  BMG /ADDAF

59 – No teatro d’alma    BMG /ADDAF

60 – Noite sem fim         BMG /ADDAF

61 – Noites Cariocas     IRMÃOS VITALLE

62 – Nosso romance      WARNER CHAPPELL

63 – Nostalgia                   FERMATA

64 – Nostálgico    BMG

65 – O tombo do Patrocínio     BMG /ADDAF

66 – O vôo da mosca      BMG /ADDAF

67 – Orgulhoso     BMG /ADDAF

68 – Para encher tempo          BMG /ADDAF

69 – Para eu ser feliz     ADDAF

70 – Pateck Cebola        BMG /ADDAF

71 – Pé de moleque        ADDAF

72 – Pérolas               BMG /ADDAF

73 – Pimenta no salão    BMG /ADDAF

74 – Por que sonhar?     WARNER CHAPPELL

75 – Pra Você                   ADDAF

76 – Primas e Bordões  BMG/ADDAF

77 – Primavera     BMG /ADDAF

78 – Quebrando o galho  BMG /ADDAF

79 – Receita de Samba  BMG /ADDAF

80 – Remeleixo     ADDAF

81 – Reminiscências      WARNER CHAPPELL

82 – Rua da Imperatriz  BMG

83 – Sai do caminho       Fermata

84 – Saliente                    BMG / ADDAF

85 – Salões imperiais     ADDAF

86 – Samba não é segredo      Direto

87 – Santa Morena        BMG /ADDAF

88 – Sapeca                       FERMATA

89 – Saracoteando        BMG /ADDAF

90 – Saudade                         BMG

91 – Sempre teu  BMG /ADDAF

92 – Si alguém soffreu   IRMÃOS VITALLE

93 – Simplicidade  WARNER CHAPPELL

94 – Tatibitate     WARNER CHAPPELL

95 – Ternura         ADDAF

96 – Tira poeira    BMG/ADDAF

97 – Toca pro pau BMG

98 – Treme-Treme          ADDAF

99 – Um bandolim na escola    BMG /ADDAF

100 – Vale tudo    FERMATA

101 – Vascaíno     FERMATA

102 – Velhos tempos     BMG /ADDAF

103 – Vibrações   BMG /ADDAF

104 – Vidinha boa BMG /ADDAF

 

Discografia Completa:

Coluna do Chacrinha contando a história da s primeiras gravações de Jacob. Recorte do jornal 'Diário da Noite' (18/04/1951)

Coluna do Chacrinha contando a história das primeiras gravações de Jacob. Recorte do jornal ‘Diário da Noite’ (18/04/1951)

Gravações de Jacob do Bandolim em discos 78 rpm (10 polegadas)

Gravadora Continental (4 discos)

Nº série      Data  Músicas

15.825       Out 47        Treme – Treme – choro (Jacob) / Glória – valsa (Bonfiglio de Oliveira)

15.872       Mar/48       Salões imperiais / valsa (Jacob) / Flamengo – choro (Bonfiglio de Oliveira)

15.957       Nov/48        Remelexo -choro (Jacob) / Feia – valsa (Jacob)

16.011       Mar/49       Cabuloso – choro (Jacob) / Flor amorosa – choro (Joaquim A. S. Callado)

Gravadora RCA Victor (48 discos)

Nº série      Data  Músicas

80.0602     Jul/49        

Despertar da montanha – tango (Eduardo Souto) / Língua de preto – choro (Honorino Lopes)

80.0623     Out/49       

Flor do Abacate – choro (Álvaro Sandim ) / Dolente – choro (Jacob)

80.0653     Mai/50       

Pé de Moleque – choro (Jacob) / Sorrir dormindo – valsa (Juca Kallut)

80.0667     Jun/50       

Numa seresta – choro (Luiz Americano) / Encantamento – valsa (Jacob)

80.0680     Jul /50       

Simplicidade – choro (Jacob) / Bonicrates de muletas – choro (Biliano de Oliveira)

80.0688     Ago/50       

Mexidinha – polca (Jacob) / Teu aniversário – choro (Pixinguinha)

80.0702     Set/50       

Saudações – choro (Otávio Dias Moura) / Graúna – choro (João Pernambuco)

80.0711     Out/50       

Choro de varanda – choro (Jacob) / Teu beijo – choro (Mário Álvarez)

80.0745     Mar/51      

Mar de Espanha – valsa (Bonfiglio de Oliveira – Rogério Guimarães) / Doce de coco- choro (Jacob)

80.0754     Abr/51       

Vale tudo – partido alto (Jacob) / Cristal – choro (Jacob)

80.0767     Mai/51       

Lamentos – choro (Pixinguinha) / Siri tá no pau – polca (Miguel A. Vasconcelos)

80.0789     Jul /51       

Elza – valsa (A. F. Conceição – Xavier Pinheiro) / Vascaíno – choro (Jacob)

80.0813     Set/51       

Bole-bole – samba (Jacob) / Nostalgia – choro (Jacob)

80.0900     Abr/52       

Odeon – tango / Saudade – valsa (*)

80.0901     Abr/52       

Turbilhão de beijos – valsa / Atlântico – tango (*)

80.0902     Abr/52       

Tenebroso – tango / Faceira – valsa (*)

80.0903     Abr/52       

Nenê – tango / Confidências – valsa (*)

80.0931     Mai/52       

Saxofone, porque choras? – choro (Severino Rangel “Ratinho”) / Eu e você – choro (Jacob)

80.0969     Ago/52       

Migalhas de amor – choro (Jacob) / Gostosinho / choro (Jacob)

80.0987     Ago/52       

Forró de gala – coquinho (Jacob) / Biruta – partido alto (Jacob)

80.1089     Jan/53       

Nosso romance – choro (Jacob) / Reminiscências – choro (Jacob)

80.1122     Abr/53       

Tatibitate – choro (Jacob) / Por que sonhar ? – choro (Jacob)

80.1163     Jun/53       

Entre mil, …você ! – choro (Jacob) / Pardal embriagado – choro (Patrocínio Gomes)

80.1214     Set.53       

Brotinho – baião (Sergio Bittencourt) / Rapaziada do Brás – valsa (Alberto Marino)

80.1226     Out.53       

Sapeca – frevo (Jacob) / Sai do caminho – frevo (Jacob)

80.1269     Mar/54      

Feitiço – choro (Jacob) / Vidinha boa – mazurca (Jacob)

80.1295     Mai/54       

Santa Morena – valsa (Jacob) com orquestra / Saudade – samba canção (Jacob)

80.1344     Ago/54       

Bola preta – choro (Jacob) / Saliente – choro (Jacob)

80.1390     Nov54        

Toca pro pau – frevo (Jacob) / Rua da Imperatriz – frevo (Jacob)

80.1418     Abr/55       

Alvorada – choro (Jacob) / Meu Segredo – choro (Jacob)

80.1434     Abr/55       

Benzinho – choro (Jacob) / Ciumento – choro (Jacob)

80.1476     Jul /55       

Sempre teu – choro (Jacob) / Um a zero – choro (Pixinguinha -Benedicto Lacerda)

80.1510     Set/55       

Nego frajola – samba (Jacob) / Mimosa – polca (Jacob)

80.1565     Mar/56      

Tira poeira – choro (Sátiro Bilhar) / Amapá – (Juca Storoni)

80.1596     Abr/56       

De Limoeiro à Mossoró – ponteado (Jacob) / Diabinho maluco – choro (Jacob)

80.1608     Mai/56       

Revendo o passado – valsa (Freire Junior) / Alma brasileira – valsa (Fernando Magalhães)

80.1627     Jun/56       

Só tu não sentes – valsa (José Francisco Costa “Costinha”) / Flor do mal – valsa (Santos Coelho)

80.1638     Jun/56       

Agüenta, seu Fulgêncio – choro (Lourenço Lamartine) / Serenata no Joá – choro (Radamés Gnattali)

80.1667     Set/56       

André do sapato novo – choro (André Vítor Corrêa) / Carícia – choro (Jacob)

80.1706     Nov/56       

Buscapé – frevo (Jacob) / Pimenta no salão – frevo (Jacob)

80.1799     Mai/57       

Isto é nosso – choro (Jacob) / Noites cariocas – choro (Jacob)

80.1845     Ago/57        Sofres porque queres – choro (Pixinguinha) / Cochichando – choro (Pixinguinha)

80.1930     Mar/58       Implicante – choro (Jacob) / Mágoas – choro (Jacob)

80.2125     Out/59        Fubá – maxixe (Romeo Silva) / Velhos tempos – choro (Jacob)

80.2182     Fev/60        Parati dançante – choro (Eduardo Souto) / Chorando -choro (Ary Barroso)

80.2223     Mai/60        Gostosinho – choro (Jacob) / Simplicidade -choro (Jacob)

80.2339     Jun/61        Assanhado – samba (Jacob) / Não me toques – choro (Zequinha de Abreu)

80.2427     Set/62        Um bandolim na escola – samba (Jacob) / Falta-me você choro (Jacob)

(*) Jacob Revive Músicas de Ernesto Narareth – álbum BP-1, composto por 04discos em 78 rpm.

 

Gravações de Jacob do Bandolim em discos 45 rpm (7 polegadas)

Compactos simples (todos são reedições)

Nº série      Data  Músicas

83.0004     Jul /53       

Vale tudo / partido alto (Jacob)

Doce de coco /choro (Jacob)

Obs: Reedição do 78 rpm nº 80.0754 de abril /51 e reedição do 78 rpm nº 80.0754 de mar/51

83.0037     Jun /56      

Revendo o passado / valsa (Freire Junior),

Alma brasileira / valsa (Fernando Magalhães)

Obs:reedição do 78 rpm nº 80.1608 de maio/56 e reedição do 78 rpm nº 80.1608 de maio/56

83.0051     Jul /56       

Agüenta, seu Fulgêncio / choro (Lourenço Lamartine)

Serenata no Joá / choro (Radamés Gnattali)

Obs: Reedição do 78 rpm nº 80.1638 de jun/56 e reedição do 78 rpm nº 80.1638 de jun/56

83.0074     Ago /57      

Isto é nosso / choro ( Jacob),

Noites cariocas / choro ( Jacob)

Obs: Reedição do 78 rpm nº 80.1799 de mai/57 e reedição do 78 rpm nº 80.1638 de jun/56

83.0103     Fev /58      

Sofres porque queres / choro ( Pixinguinha)

Cochichando / choro ( Pixinguinha)

Obs: Reedição do 78 rpm nº 80.1845 de ago/57 e reedição do 78 rpm nº 80.1845 de ago/57

Compacto duplo (7 polegadas)

Nº série      Data  Músicas

583.0015  Nov /56       Derramaro o Gai / coco – por Luiz Gonzaga

Vassouras / xote – por Luiz Gonzaga

André de sapato novo / choro (André Vitor Correa) – reed.do nº 80.1667

Carícia / choro ( Jacob) – reed. do nº 80.1667

Obs: Jacob só participou do lado B, no lado A, o solista é Luiz Gonzaga

Gravações de Jacob do Bandolim em discos 33 rpm

Compacto duplo (7 polegadas)

Gravadora RCA Victor

Nº série      Data  Músicas

LCD 1104  Set / 64      Assanhado / samba (Jacob) – reedição do 78 rpm nº 80.2339

Não me toques / choro (Zequinha de Abreu) – idem nº 80.2339

André de sapato novo / choro (André Victor Correa) – idem nº 80.1667

Vale tudo / partido alto (Jacob) – idem nº 80.0754

Long Play (10 / 12 polegadas – 38 discos) 

Nº série      Data  Gravadora   Título

BPL 3001   Jul/55         RCA Victor  ‘Jacob Revive Músicas de Ernesto Nazaré’

BPL 3015   Out/56        RCA Victor  ‘Valsas Evocativas’

BPL 3040   Out/ 56       RCA Victor  ‘Eles Tocam Assim’

BPL 3049   Out/57        RCA Victor  ‘Choros Evocativos’

BPL 3056   Nov/57        RCA Victor  ‘Frevos – Vol. 2’

BPL 2         Fev/57        RCA Victor 

‘Vinte Anos da Nacional’

BPL 5         Set/57        RCA Victor 

‘Jubileu Herivelto Martins’

BBL 1033   Jun/59        RCA Victor 

‘Época de Ouro’

BBL 1072   Mar/60       RCA Victor 

‘Na Roda de Choro’

BBL 1100   Set/60        RCA Victor 

‘Valsas Brasileiras de Antigamente’

BBL 1138   Jul/61         RCA Victor 

‘Chorinhos e Chorões’

BBL 1190   Jun/62        RCA Victor 

‘Primas e Bordões’

BBL 1203   Ago/62        RCA Victor 

‘Valsas e Choros Evocativos’

BBL 1242   Jun/63        RCA Victor 

‘Jacob Revive Sambas para Você Cantar’

60.099 (mono) 9066 (estéreo)        Ago/64        CBS  

‘Retratos’

CALB 5096 Set/66        RCA Cadmen       

‘Assanhado’

CALB 5213 Jul/67         RCA Cadmen       

‘Era de Ouro’

BBL 1383   Out/67        RCA Victor 

‘Vibrações’

CALB 5152 Ago/68        RCA Victor 

‘Isto é Nosso’

MIS 004     Set/68        Selo MIS    

‘Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim, Zimbo Trio e Época de Ouro – Vol. I’

MIS 004     Set/68        Selo MIS    

‘Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim, Zimbo Trio e Época de Ouro – Vol. II’

MIS 006     Set/68        Selo MIS    

‘Pixinguinha 70’

 

Gravações lançadas após o falecimento de JACOB DO BANDOLIM (Ago/69)

CALB 5183 1969 RCA Victor 

‘Avena de Castro Relembra Jacob Bittencourt’

CALB 5317 1971 RCA Cadmen       

‘Os Saraus de Jacob’

107.0137  1972 RCA Cadmen       

‘Alfredo da Rocha Vianna – Pixinguinha’

CCLP 002   1974 Continental

‘Jacob do Bandolim e Waldir Azevedo’ – Série Ídolos da MPB

107.0201  1975 RCA Cadmen       

‘Ao Mestre Jacob do Bandolim com Saudade’- série Disco de Ouro

HMPB 07 1976 Abril Cultural Pixinguinha – História da Musica Popular Brasileira

CIS    1976 ———-      

‘Chorada, Chorões e Chorinhos’

MIS 025     1977 Selo MIS    

‘Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim, Zimbo Trio e Época de Ouro – Vol. III’.

RCA 1070293     1978 RCA  

‘Do Arquivo do Jacob’

HMPB 51    1978 Abril Cultural       

‘Jacob do Bandolim e o Choro’ – Coleção Nova História da MPB

1-19-405-035     1978 Continental

Os Grandes instrumentistas da MPB – Serie Destaque nº 9 (reedições)

RCA 103.0308    1979 RCA  

‘10 Anos de Saudades’ – Jacob do Bandolim – Série Documento

107.0323  1981 RCA Cadmen       

‘Valsas Brasileiras’

———-       1986 RCA  

‘Viva Jacob’

LB 030       1989 Gravadora Revivendo    

‘Chorando’

130.0057  1989 RCA/BMG   

‘Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim, Zimbo Trio e Época de Ouro’

 

Dedicados a Jacob – Discos gravados no Brasil e no exterior, baseados no obra de Jacob

Nº série      Data  Gravadora   Título

CALB 5183 1969 RCA Victor  LP ‘Avena de Castro relembra Jacob Bittencourt’

BR 20.055 1979 Atlantic/WEA        LP / CD ‘Tributo a Jacob do Bandolim’

31.80.0360         1980 Eldorado     LP / CD ‘Inéditos de Jacob do Bandolim’

5099727813821         1990 Sony (Eldorado)    LP Jacob do Bandolim – Memória Eldorado

———-       1991 Visom          CD ‘Receita de Samba’

T-020         1994 Tartaruga (Japão)

CD Memórias – Obras de Jacob do Bandolim

6127 2       1998 RGE   CD ‘Joel Nascimento relendo Jacob do Bandolim’

KCD077     2001 Gravadora Kuarup         CD Sempre Jacob

———-       2003 Biscoito Fino CD Ao ‘Jacob, Seus Bandolins’

———-       2004 Radical Jewish Culture – EUA  CD Great Jewish Music: Jacob do Bandolim

 

Links interessantes sobre Jacob do Bandolim:

Áudio da I Noite dos Choristas, TV Record 1955

Parte 1

 https://www.youtube.com/watch?v=2KDFXQZlrQQ

Parte 2

https://www.youtube.com/watch?v=MsWwPdqYIEc

Parte 3

https://www.youtube.com/watch?v=kjWab0nftEk

Parte 4

https://www.youtube.com/watch?v=hhktx9uVcK4

Parte 5

https://www.youtube.com/watch?v=WKsgfdRnT_o

II Noite dos Choristas, TV Record 1956

Parte 1

https://www.youtube.com/watch?v=a2s8fGKtpxM

Parte 2

https://www.youtube.com/watch?v=sOkEpD2_a8U

Parte 3

https://www.youtube.com/watch?v=3bagIDMnJIc

Parte 4

https://www.youtube.com/watch?v=C8LsAQJqYsI

Jacob e Radamés Gnattali com Orquestra interpretam Retratos em 1964

https://www.youtube.com/watch?v=V9ssWw7pHtc

Testemunho de Jacob sobre Canhoto das Paraíba, chamado por ele de ‘sacristão’

https://www.youtube.com/watch?v=-vgUa5CFiuQ

Qualificação de Jacob Pick Bittencourt

https://www.youtube.com/watch?v=411K9ocVr_M

Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim, Zimbo Trio e Conjunto Época de Ouro ao vivo no Teatro João Caetano em 1968 Vol. 1

https://www.youtube.com/watch?v=V9ssWw7pHtc

Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim, Zimbo Trio e Conjunto Época de Ouro ao vivo no Teatro João Caetano em 1968 Vol. 2

https://www.youtube.com/watch?v=FzE7mxGm50k

Suíte Retratos interpretada no Disco ‘Tributo a Jacob do Bandolim’ com Radamés Gnttali, Joel Nascimento e Camerata Carioca

https://www.youtube.com/watch?v=QbyJAXHfChU

Gravação caseira da valsa Confidências Ernesto Nazareth

https://www.youtube.com/watch?v=dDiJSCY5oxA

Fontes:

Arquivo Jacob do Bandolim

Arquivo Revista do Choro

Coleção de notícias sobre Choro *Rúben Pereira

Obra e Musicografia completa – www.jacobdobandolim.com.br

‘Jacob do Bandolim’ Ermelinda A. Paz

“Tributo a Jacob – um registro da sua discografia completa” por Sérgio Prata e Maria Vicência Pugliése

 

imprensabr
Author: imprensabr


Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado.

2 thoughts on “Memória do Choro: O legado de Jacob do Bandolim nesses 45 anos sem o bandolinista