Para historiador da Universidade da Columbia, Donga e Pixinguinha foram os ícones da ‘figura do sambista pouco preocupado com política e dinheiro, símbolo da teoria sobre a harmonia entre as raças no Brasil’


LEIA APENAS ESTE CONTEÚDO

OU ASSINE A REVISTA DO CHORO E TENHA ACESSO A TODOS OS CONTEÚDOS DA PUBLICAÇÃO