Pelo zap zap a generosidade da neta do compositor de Pelo Telefone


Leonor Bianchi

Esta semana conheci Márcia Zaíra, neta de Donga, através de várias mensagens de áudio e texto trocadas pelo aplicativo de conversa WhatsApp.

Quem me ajudou neste contato foi o sambista Didu Nogueira, também da família e que já estava me ajudando quando comecei a escrever a primeira parte do artigo sobre o violão-bolacha de Donga.

Estou produzindo da segunda parte do artigo e precisei falar com a Márcia, pois o violão está com ela e sua mãe, Lígia Santos filha de Donga.

Márcia foi maravilhosa em todo o nosso contato abrindo sua intimidade, sua casa (ainda que virtualmente), sua memória, seu coração para me contar histórias de seu avô e das mulheres de sua família.

Ela me contou a história da avó Zaíra, mulher de Donga, primeira cantora lírica negra brasileira dentre tantos outros títulos que teve ao longo da vida.

É uma família de mulheres fortes inteligentes e de destaque na cena cultural do Rio de Janeiro!

Segundo Márcia, a biografia de sua avó está sendo pesquisada pelo projeto Africanidades, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Teremos uma surpresa para o leitor da Revista do Choro nesta segunda parte do artigo!

Importante ressaltar o interesse da neta do compositor do primeiro samba brasileiro (Pelo telefone) em assinar a Revista do Choro para fomentar o projeto!

Muito obrigada, Zaíra!

Muito obrigada, Didu!

Salve Donga!