Lado B de Waldir Azevedo: Paulo Carvalho, biógrafo do compositor de Brasileirinho, lança CD com músicas pouco conhecidas do cavaquinista


Leonor Bianchi

Conversei recentemente com o cavaquinista Paulo Carvalho, criador do site www.waldirazevedo.com.br e pesquisador da obra de Waldir Azevedo a quem homenageou com seu primeiro CD independente, ‘Outras’, com músicas pouco conhecidas e interpretadas do compositor de Brasileirinho.

imagem cenario cd paulo

“Meu nome é Paulo Roberto da Silveira Carvalho. Nasci em 25 de março de 1968, em Cachoeira do Sul, interior do estado Rio Grande do Sul. Fui criado sem qualquer influência musical, até que aos treze anos de idade fui surpreendido com o primeiro contato com o choro e com parte da obra de Waldir Azevedo.  Em 1981, meu pai abriu um bar onde, aos finais de semana, os músicos locais se reuniam para rodas de samba e choro e desde então aqueles solos de cavaquinho e alguns fragmentos das músicas de Waldir Azevedo, até então totalmente desconhecidas para mim, ficaram gravados em minha memória ao ponto de eu, como autodidata, querer aprender a tocar o cavaquinho. Com o tempo fui querendo conhecer toda a obra de Waldir Azevedo, comprando seus discos e buscando tudo que estivesse relacionado a sua vida. Com o advento da internet minha busca evoluiu significativamente quando pude completar a discografia e me aproximar de pessoas que estiveram ligadas a Waldir Azevedo, chegando finalmente a sua família no Rio de janeiro. Foram maravilhosos anos de convivência com a esposa Olinda Azevedo, até a sua partida, e com a filha Marly Azevedo, com quem mantenho até hoje uma grande amizade. A convivência com a família me abriu vários contatos e amizades, como Canhotinho (Roberto Barbosa), Zinomar Pereira, Avendano Junior, Carlinhos 7 Cordas, Ademilde Fonseca, entre outros. Com tanta informação disponível, resolvi, em conjunto com D. Olinda, criar o Site Oficial Waldir Azevedo (www.waldirazevedo.com.br) para que todos os fãs e admiradores desse grande artista, pudessem ter acesso ao seu maravilhoso acervo, que D. Olinda cuidou até o final de sua vida e que chamava carinhosamente de “Cantinho do Waldir”. Pouco antes de sua partida, D. Olinda realizou a doação de parte desse acervo ao MIS (Museu da Imagem e do Som). Outra parte me foi dada de presente e alguns itens foram cedidos a outros fãs selecionados, como forma de gratidão e carinho. Hoje mantenho minha missão de pesquisar, preservar e divulgar a obra desse grande Artista e promover tudo que for possível para que seu nome e suas músicas sejam eternizados para as próximas gerações.

O projeto mais recente é a gravação de um CD, contendo composições pouco conhecidas pelo público. O CD tem o título de “Waldir Azevedo-OUTRAS”, para que o público saiba que além dos clássicos de sucesso (Brasileirinho, Delicado, Pedacinhos do Céu,…) as “outras” composições de Waldir Azevedo também apresentam uma grande riqueza musical”, conta Paulo Carvalho.

Revista do Choro: O que você gostaria de destacar neste projeto? 

Paulo Roberto: Objetivo principal é mostrar para o público em geral que Waldir Azevedo foi muito além de seus clássicos choros de sucesso e que em suas mais de 150 composições temos peças maravilhosas, que podem e devem estar presentes no repertório dos chorões atuais. Desconhecer ou não tocar suas outras composições é algo inaceitável, considerando que Waldir Azevedo, não por acaso, foi o músico do gênero mais bem sucedido de toda a história do choro, sendo também o que mais vendeu discos na era do 78rpm dentre todos os gêneros da nossa música brasileira. Sucesso nacional e internacional, Discos de Ouro, regravações internacionais pelos maiores nomes da música mundial. Um artista com esse currículo precisa de um destaque maior em nosso meio.

Revista do Choro: Quem são os músicos que o acompanham no cd? 

Paulo Roberto: LUIZ MACHADO (violão), professor multi-instrumentista, arranjador e responsável pela cultura e preservação do choro e do samba de raiz aqui no Rio Grande do Sul. Iniciou e formou diversos músicos do gênero que hoje estão atuando com projeção nacional e internacional, como Luiz Barcelos, Pedro Franco, Henry Lenino, entre outros. Também foi o responsável por criar vários projetos, como a Oficina de Choro do Santander Cultural, Teatro São Pedro, Pão dos Pobres, entre outros.

…FÁBIO AZEVEDO (cavaco centro), neto do fundador do Clube do Choro de Porto Alegre; convive com o gênero de choro e samba desde a infância. É considerado um dos melhores centristas do RS, sendo muito requisitado pelas escolas de sambas no Carnaval e por grupos de samba e pagode, devido a sua virtuosidade e versatilidade ao instrumento.

…THAYAN MARTINS (pandeiro), iniciou no meio através das Oficinas de Choro e Samba e atualmente atua como ritmista em vários grupos de samba e choro.

Revista do Choro: Onde foi gravado o cd?

Paulo Roberto: Estúdio Soma, em Porto Alegre (RS)

www.studiosoma.com.br

Revista do Choro: Quem fez a produção? 

Paulo Roberto: Eu fiz tudo a partir desse ideal.

Revista do Choro: Comente os arranjos…

Paulo Roberto: Procurei, junto com os músicos, preservar ao máximo a integridade das gravações originais, sem alterações no solo ou incluindo arranjos novos. Algumas gravações originais apresentam instrumentos, os quais não dispusemos para fazer as gravações, o que acabou não sendo reproduzidos neste CD, motivo pelo qual mantivemos o pandeiro e o cavaquinho centro em todas as re-gravações, inclusive naquelas em que eles não se fazem presentes nas originais feitas pelo próprio Waldir Azevedo. Buscamos fidelizar principalmente o solo e o desempenho do violão de seis cordas, muito presente nas gravações originais.

Revista do Choro: Como foi a escolha repertório? Você havia comentado que escolheu músicas menos conhecidas do Waldir… 

Paulo Roberto: O repertório foi de certa forma difícil de escolher, pois separei todas aquelas composições que considero riquíssimas em harmonia e arranjos e que não ouço quase ninguém tocar ou regravar. Separei estas 15 para o CD, mas daria para fazer diversos volumes… (quem sabe um dia?). São músicas que já fazem parte do meu repertório nas apresentações públicas que realizo e que notei serem bastante aceitas e elogiadas pelo público presente, sendo muitas delas bastante solicitadas, apesar de pouco conhecidas e de serem composições do Waldir Azevedo.

Revista do Choro: Onde é possível comprar o cd, e quanto custa o mesmo?

Paulo Roberto: O CD pode ser adquirido diretamente comigo em contato in box pelo Facebook, onde combino o envio pelos Correios, e aqui em Porto Alegre, na escola de música Teclas & Cordas, que fica na Cidade Baixa, região central da Capital. 

O CD custa R$ 20,00, com mais R$ 10,00 do frete em caso de envio pelo Correios.

Revista do Choro: Trata-se de um projeto independente?

Paulo Roberto: Totalmente independente.

Revista do Choro: Gostaria de comentar mais algo que não perguntei?

Paulo Roberto: Gostaria muito que fosse bastante destacada a importância do nome de Waldir Azevedo para a nossa música brasileira e a beleza de seu repertório que ficou um pouco esquecido e menos explorado pelos chorões atuais.

Como mencionei no encarte do CD, tocar músicas de Waldir Azevedo em São Paulo, Brasília e principalmente no Rio de Janeiro e saber que são músicas desconhecidas, inclusive pelos músicos locais é, no mínimo, uma injustiça e que precisa ser corrigida urgentemente.