Um passo entre o passado e a vanguarda do choro


Leonor Bianchi*

A flautista Ana Cesário estará em breve na Revista do Choro em um podcast exclusivo falando sobre seu primeiro disco, Passos no Choro, dedicado ao maravilhoso universo deste gênero brasileiro e a nossa eterna maestrina-chorona Chiquinha Gonzaga.

Através da sonoridade da flauta, do piano e do grupo regional, o álbum toca a essência do choro, com suas formas, ornamentos, improvisos e sutilezas musicais. Destacando-se no cenário das instrumentistas de choro desta geração, Ana Cesário expressa sua musicalidade rompendo fronteiras, trabalhando com vários estilos musicais e também criando fusões entre eles.

Segundo Ana Cesário, a paixão pela música de câmara, e a combinação flauta e piano vêm de longa data. Em todos os recitais da Escola de Música, e posteriormente da Universidade de Brasília, os pianistas estavam presentes executando junto à flautista, sonatas, choros e fantasias.Estes, sem dúvidas, grandes parceiros de incontáveis horas de ensaios para concertos e formaturas.

Os grupos regionais, (flauta, cavaquinho, violão e pandeiro), que são grupos de câmara à maneira popular, também contam sobre a trajetória musical da flautista, que já tocou com algum desses grupos, e nutre especial paixão e encantamento pelas rodas choro, onde se produzem, com ouvidos atentos e espontaneidade, os maravilhosos temas do choro brasileiro.

Entre a tradição e a vanguarda

Obras marcantes de alguns pioneiros do choro, estão presentes no álbum com arranjos extremamente originais. Chiquinha Gonzaga, Pattápio Silva, Zequinha de Abreu e Ernesto Nazareth ganharam versões que serão comentadas pela flautista no podcast.

O disco propõe uma viagem no tempo, rumo ao início do século xx, onde, em um salão de portas entalhadas com arabescos, e a mesa do café decorada com bibelôs franceses, várias pessoas dançam alegremente ao som da flauta e do piano, que executam com virtuosismo e irreverência as marchas-rancho de Chiquinha Gonzaga.

Uma fuga de J. S. Bach ganhou uma nova instrumentação e também é executada nesse baile, dessa vez com pandeiro, cavaquinho, flauta, violão e violino.

Além da saga através dos tempos, o ouvinte é convidado a apreciar as novidades da música instrumental brasileira, através das obras de Marcela Nunes e Renato Muringa (BH), Diana Mota e Iara Gomes (DF).

A música “Passos no Choro”, obra de Chiquinha Gonzaga, dá nome a este álbum, que leva o título em homenagem à compositora, pianista e primeira maestrina do Brasil, figura forte e grande fonte de inspiração para a flautista, que entrega este trabalho ao mundo como mais um passo dado no mundo da música.

Com patrocínio do FAC – DF e dirigido pelo grande flautista Sergio Morais, o time de músicos conta com: Rafa Flores no piano. Na flautas, Sergio Morais, Diana Mota e Sammille Bomfim. Juçara Dantas, Kaio Gracco e Jaime Ernest Dias nos violões. Nos pandeiros Valerinho Xavier e Juraci Moura. No cavaquinho Iuri Gules e nos violinos, Káshi Mello e Liliana Gayoso.

170611_AC_03_©Karina Santiagocopy

*Texto: Leonor Bianchi e Ana Cesário.