“A nova descoberta” a respeito de Villa-lobos, que a grande imprensa começou a publicar esses dias


Leonor Bianchi

Eu convido a pessoa para me dar uma entrevista para a Revista do Choro antes da pauta virar conteúdo em qualquer outro jornalão da grande imprensa, e a pessoa ignora a minha comunicação.

Dias depois, vejo uma matéria sobre a mesma pauta que eu estava tentando produzir num grande jornal diário de São Paulo.

O que eu faço com esse pesquisador que ignorou a minha comunicação, mas fez questão de falar para um jornal patrocinado pelo Bolsonaro?

Eu já fui tratada assim por uns três ou quatro do ambiente musical. Isso não é praxe aqui na redação, geralmente as pessoas falam à revista sem tirar onda. Normal.

E se não fosse isso, se não fosse a questão do jornal ser bancado por grupos políticos que apoiam esse presidente? Se fosse apenas a questão dele ter ignorado a minha comunicação? Só por isso já seria e é horroroso o que ele fez, mas continue lendo para você ver a conduta do professor de uma Universidade Federal de música no Rio de Janeiro.

Bem, se fosse outro jornalista ficaria mudo, mas eu falei. Fui nos comentários de uma publicação dele no Facebook e disse que aquele conteúdo só não tinha sido publicado na Revista do Choro porque ele não tinha atendido minha solicitação. E disse mais. Disse que o leitor da Revista do Choro é um público que tem muito mais interesse em conhecer a história de Villa-lobos do que o leitor desse jornalão de quinta, financiado pelo Bozo para o qual ele deu entrevista.

Depois que falei isso publicamente no post que ele publicou todo orgulhoso no Facebook, exibindo um link para essa matéria no jornalão, ele resolveu me dar a entrevista que eu havia solicitado.

Pô, bicho, é óbvio que essa pauta caiu aqui na redação, né? Assim como também caiu a sua máscara, professor. Que história é essa, rapaz? Faz questão de falar para esses jornalões financiados pelo Nazi, mas não dá uma entrevista para um projeto editorial de resistência cultural, como a Revista do Choro? É você que é o grande pesquisador de violão, professor da UFRJ, referência na pesquisa de Villa-lobos, chegou a encontrar mais de 20 mil documentos inéditos do maestro ainda nunca revelados publicamente?

Eu não tenho dúvidas de que você não é a pessoa mais adequada para estar nesse lugar, mas enquanto você for ovacionado e o Estado bancar você pra isso, você continuará tendo orgulho de aparecer nessa imprensa marrom.

Lamentável, professor, sua conduta.

A pauta caiu, professor. Meus leitores não lerão nada sobre esse assunto vindo de você aqui na revista. Vou escrever sobre essa pauta sem entrevistá-lo. Eu não quero ouvir o que você tem a dizer mais, vou em cima daquilo que a imprensa para quem você contou a história está publicando. Estou aqui explicando para o meu leitor o motivo pelo qual não vou entrevistar o pesquisador que está revelando toda essa descoberta sobre Villa-lobos.

E eu tenho vergonha desse tipo de atuação profissional como a sua; fique o senhor sabendo. Não acho bonitinho isso, não. Eu não trabalho dessa forma. Eu trabalho atendendo prontamente quem me procura solicitando alguma informação. Não ignoro as pessoas quem têm menos conhecimento que eu quando estas me procuram. É aí mesmo que eu me dedico mais ainda a esclarecer o que essa pessoa me perguntou para que ela tenha, além da elucidação sobre o tema ao qual veio me pedir esclarecimento, motivação e interesse para continuar se aprofundando no assunto. O senhor bateu com a porta na minha cara. Faltou ao senhor o principal para um mestre: didática e capacidade de transmissão de informação e conhecimento, e, sobretudo, faltou ao senhor sabedoria.

Ouça agora, aqui na Revista do Choro, um podcast sobre Villa-lobos 

Deixo um convite para quem quiser conhecer um pouco de Villa-lobos: ouça o podcast da professora da UNIRIO Ermelinda Paz sobre sua pesquisa a respeito do maestro, gravado com exclusividade para a Revista do Choro. A professora Ermelinda é uma grande fomentadora da publicação e assinante da Revista do Choro. A ela meus sinceros agradecimentos sempre.

A Villa-lobos todo meu respeito.

Clique aqui para ouvir o podcast.

E, assinando a Revista do Choro você ganha um exemplar do livro “Villa-lobos e a música popular brasileira: uma visão sem preconceito”, da professora Ermelinda Paz. O livro foi relançado pela editora Tipografia Musical no final do ano passado.

Para assinar a Revista do Choro clique aqui.

Villa-Linda_Capa_2_Capa

Foto do banner: capa da revista O Guitarrista Moderno, publicada no século 19.