Obra da velha guarda do choro de Taubaté ganha registro inédito em CD


Redação

Projeto cultural “Viva o Choro de Taubaté” resgata composições de antigos chorões da cidade

Lançamento do trabalho terá série de shows gratuitos na região a partir de março

A obra de autores da velha guarda do choro de Taubaté acaba de ganhar registro inédito em CD por meio do projeto cultural “Viva o Choro de Taubaté”, iniciativa do Clube do Choro Waldir Azevedo. O projeto é fruto de pesquisa realizada pelo músico Rogério Guarapiran, fundador do grupo, sobre a obra de antigos “chorões” da cidade e rendeu um CD com doze faixas inéditas – que acaba de ser gravado -, além de uma série de seis shows gratuitos em seis cidades da região, com início a partir desta quarta-feira (13).

O primeiro deles acontece em São José dos Campos. Será dia 13 de março, às 20h, no Museu Municipal (Praça Afonso Pena, 29), e conta com participação especial do grupo local Conversa Afiada, formado pelos músicos Luiz Paulo Muricy (cavaquinho), José Marcos (Bandolim), Bruno Bertolino (pandeiro), Claudio Ferreira (violão 7 cordas) e Everton Campos (flauta transversal). No dia 30, será a vez de Jacareí receber o espetáculo, às 16h30, na Sala Mário Lago. O convidado é o grupo Chorinho na Rede. Depois, o show circula pelas cidades de Guaratinguetá e São Luiz do Paraitinga, em abril; e Pindamonhangaba e Taubaté, em maio.

Francisco da Cruz (pandeiro) e Humberto dos Santos (violão) no estúdio durante gravações

Francisco da Cruz (pandeiro) e Humberto dos Santos (violão) no estúdio durante gravações

O álbum inédito com 12 composições de músicos da velha guarda do choro de Taubaté, totalmente instrumental, preenche uma lacuna histórica resgatando, valorizando e difundindo obras inéditas de autores regionais que atuam desde a década de 1960.

Compositores septuagenários como Humberto dos Santos, Guido Malheiro e Benedito Barbosa da Cruz tiveram suas músicas registradas pela primeira vez. Músicos já falecidos são homenageados por meio  das composições que deixaram: João Fernandes-Peixinho e Renato da Silva são alguns exemplos.

Chorões mais experientes também cederam composições inéditas para o projeto, caso do Maestro Roberto Vinagre e Nico Ferreira. As novas gerações se fazem presente com Claudio Rogerio Ferreira, Rogério Guarapiran e João Oliveira, que compuseram um frevo especialmente para esse projeto. Completa o disco uma composição do flautista fluminense Antônio Rocha com um choro dedicado à cidade.

O Clube do Choro Waldir Azevedo e a pesquisa

O Clube do Choro Waldir Azevedo foi fundado em 2005 em Taubaté, a partir do encontro de jovens músicos de formação acadêmica com experientes músicos práticos. O nome é uma homenagem ao compositor e cavaquinista carioca Waldir Azevedo.

Com atuação no Vale do Paraíba e na capital realizando rodas de choro em diversos espaços, tocando repertório tradicional e contemporâneo de choros consagrados, o grupo iniciou há anos uma pesquisa de resgate e descoberta de compositores da cidade, que resultou no projeto “Viva o Choro de Taubaté” contemplado em 2018 pelo ProAC (Programa de Ação Cultural), prêmio de incentivo à cultura da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

O objetivo foi revisitar e gravar a obra de músicos que ajudam a contar a história do choro em Taubaté. “Acreditamos que esse registro é de grande relevância cultural para a valorização, difusão, preservação e o resgate de obras artísticas de autores regionais”, explica Rogério Guarapiran, bandolinista e pesquisador, natural de Taubaté. Ele assina a direção artística e os arranjos do CD.

Homenageados

O projeto “Viva o Choro de Taubaté” homenageia nomes como o maestro Roberto Vinagre, figura agremiadora das rodas de choro nos anos 70 e 80 em Taubaté, renomado clarinetista, solista e maestro da orquestra militar.

Outro personagem importante é Humberto dos Santos, músico autodidata e fundador do Clube do Choro, que era frequentador das rodas de choro na Casa Del Vecchio, em São Paulo, tradicional loja de instrumentos que reunia os principais chorões na década de 60. Nos anos 70, veio morar em Taubaté, onde conheceu Roberto Vinagre e passaram a tocar juntos e a participar de programas de rádio e televisão difundindo o choro. Também são homenageados pelo projeto compositores como Airton Ribeiro, João Fernandes-Peixinho, Renato Silva, Nico Ferreira, Guido Malheiros, Benedito da Cruz, entre outros.

Capa do CD Viva o Choro de Taubaté. Arte gráfica de Felipe Rezende

Capa do CD Viva o Choro de Taubaté. Arte gráfica de Felipe Rezende

Os intérpretes do disco são os integrantes do Clube do Choro Waldir Azevedo, formado por Humberto dos Santos, Claudio Ferreira, Rogerio Guarapiran, Luiz Paulo Muricy, Bruno Bertolino, Everton Campos e Aurino David. E mais um grupo de músicos convidados: Francisco Barbosa da Cruz, Cleber Assumpção, Sérgio Janicki, João Oliveira, Matheus Souza, Tiago Tizil, Joana Coelho, Jones Alves, Ivan Paulo, Mauro Manfredini, Jota Erre e Julio Lourenço. Conta ainda com convidados especiais como o flautista Antônio Rocha, que vibrou duplamente sua flauta nas faixas, e o violonista, compositor e arranjador Edmilson Capelupi, que marcou presença na gravação com sua pedagogia.

Serviço:

Projeto “Viva o Choro de Taubaté” – Gravação de um CD com obras de chorões de Taubaté e série de seis shows gratuitos em cidades da região.

Quando: Quarta-feira, 13 de março, às 20h, no Museu Municipal (Praça Afonso Pena, 29), em São José dos Campos.