Duo Sai Conde e Guilherme Lamas lança CD ‘O Alvorecer’, uma homenagem a Ernesto Nazareth


Leonor Bianchi

Em 2015 os jovens instrumentistas Sai Conde (bandola) e Guilherme Lamas (violão & Cordas (de aço) se conheceram no mestrado da Universidade de Campinas (Unicamp). O encontro deu origem ao ‘Duo Sai Conde e Guilherme Lamas’, que está lançado seu primeiro CD: ‘O Alvorecer’, uma homenagem a Ernesto Nazareth.

No trabalho, o duo gravou 13 composições do pianista, arranjadas por eles: O Alvorecer, Celestial, Delightfulness (Delícia); Dirce  3:27, Catrapus, Expansiva, Suculento, Turbilhão de Beijos, Nenê, Eponina, Tenebroso, Ideal, e Vésper. Os arranjos do Duo são elaborados de modo híbrido, porém, em sua grande parte a Bandola, instrumento colombiano, país de origem do bandolonista Sai, se destaca como solista, e o 7 Cordas de Aço se encarrega da condução harmônica e melódica na região grave do instrumento.

Adobe Photoshop PDF

Maria Teresa Madeira comenta o CD

Premiada este ano por um dos mais tradicionais e respeitados prêmios da Música Popular Brasileira pela produção e gravação de uma caixa de CDs com a obra completa de Ernesto Nazareth, lançada ano passado, a pianista e professora adjunta da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO Maria Teresa Madeira recebeu o CD ‘O Alvorecer’ em sua produtora, no Rio de Janeiro e, a pedido da Revista do Choro, comentou o disco:

“Recebi com muita alegria o CD ”  Alvorecer” do duo Sai Conde e Guilherme Lamas. Achei um trabalho muito bonito, bem elaborado e com sutilezas de timbres, resultando numa sonoridade refinada. Sou fã de Nazareth e fico super feliz em ouvir versões como estas que aproveitam o material composicional de maneira muito interessante, conseguindo captar o caráter tão predominante desta linguagem. Este trabalho ficou gostoso de se ouvir!!! Destaco as faixas ‘O Alvorecer’, ‘Delightfulness’, ‘Catrapus’,  e ‘Tenebroso’ como as minhas preferias. Meus parabéns ao Duo! Desejo muito sucesso com este CD!”.

Ernesto Nazareth é um expoente do cenário musical no Brasil e no mundo

Nascido no Rio de Janeiro, em 1863, Ernesto Nazareth conviveu com a música desde criança em saraus familiares. Aos 14 anos profissionalizou-se. Nesta fase de sua vida já compunha e escreveu sua primeira peça; a polca-lundu: “Você bem sabe”.

Jovem de carreira promissora, escreveu valsas, polcas, tangos, maxixes, “schottisches”, “fox-trots”, choros, entre outros gêneros, perfazendo um total de 211 obras.

O repertório de Ernesto Nazareth é estudado e gravado desde gerações passadas até as atuais e seu estilo transita entre o universo da música popular e erudita. Tendo alguns temas consagrados como as músicas Odeon, Brejeiro, Tenebroso…