Memória viva! A escritora Tania Carvalho lembra do tempo em que trabalhou na Gravadora Discus Marcus Pereira


Leonor Bianchi

Ela tem muita história pra contar nas páginas do jornalismo cultural brasileiro.

IMG-20191029-WA0093

Neste podcast, a jornalista e escritora Tania Carvalho traz à tona sua memória do tempo em que trabalhou como assessora de imprensa na Gravadora Discos Marcus Pereira.

Considerando a homenagem que estou fazendo ao empreendedor da gravadora, ou seja, o próprio Marcus Pereira, com a realização do Prêmio Marcus Pereira de Pesquisa em Música Popular Brasileira, e também no ano passado, com o lançamento do livro Discos Marcus Pereira: uma história musical do Brasil (Editora Flor Amorosa), do jornalista André Picolotto, nunca foi tão pertinente ouvir as palavras deste patrimônio do jornalismo cultural brasileiro que é Tania Carvalho.

Ela conta como ‘foi parar’ na gravadora como assessora de imprensa, e suas memórias da relação com Marcus Pereira e os músicos com quem conviveu, especialmente as com o clarinetista e saxofonista Abel Ferreira, que dedicou a ela a valsa Tania, gravada no LP Abel e filhos, em 1977.

Vale a pena dedicar alguns minutos para ouvir a memória de quem ajudou a construir a história do jornalismo cultural contemporâneo, no Brasil,  e por que não dizer também da indústria fonográfica brasileira, atuando diretamente com o criador da gravadora mais dedicada à pesquisa da música popular brasileira que já conhecemos até hoje em nosso país.

Ouça o podcast e depois conheça o Prêmio Marcus Pereira de Pesquisa em Música Popular Brasileira clicando aqui.