Dia do Choro em Vitória terá lançamento de filme e roda de choro com o grupo Choro em Cena


Documentário sobre a emigração holandesa no estado será lançado em Vitória no Dia Nacional do Choro
Redação
Entre 1858 e 1862, mais de 700 zelandeses emigraram para o Brasil. Eles deixaram suas casas na Zelândia, província situada ao sul da Holanda, e assinaram um contrato pelo qual receberiam terras e trabalho. Porém, a realidade mostrou-se diferente e muitos deles, que tiveram o Espírito Santo por destino, se viram em meio a florestas densas e sem estrutura de apoio em seus lotes agrícolas. Parte dessa história é contada no documentário Febre Brasileira: uma emigração zelandesa esquecida, realizado pelos holandeses Arjan Van Westen e Monique Schoutsen.

O filme será lançado no Arquivo Público do Estado do Espírito Santo (APEES), em parceira com o Consulado Geral dos Países Baixos no Rio de Janeiro e o Consulado Honorário dos Países Baixos no Espírito Santo, nesta quinta-feira (23), às 19h, na Sede do Arquivo Público, em Vitória. A participação é livre.

 

Febre Brasileira: uma emigração zelandesa esquecida traz a história dos zelandeses emigrantes, principalmente agricultores e artesãos desempregados, aliciados nas regiões rurais. Vindos de Schouwen-ouiveland, Beveland do Sul ou Zelândia-Flandres, eles sofreram com a exploração, a discriminação e as doenças. No ano de 1976, um casal de missionários redescobriu os descendentes e na Zelândia, imediatamente, correram iniciativas para conhecer e ajudar os parentes no país distante. Alguns ainda vivem no interior do Espírito Santo e falam o zelandês. No documentário eles contam suas memórias em meio a imagens históricas.

 

Febre Brasileira uma emigração zelandesa esquecida

 

 

O documentário se inicia com a partida das famílias, que tinham sobrenomes como Boone, Smoor, Laurent, Van der Maas e Heule; e termina com as comunidades existentes no Estado, com destaque às cidades de Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá e Rio Novo do Sul. A obra é baseada no livro Os Capixabas Holandeses: uma história holandesa no Brasil, escrito por Ton Roos e Margje Eshuis, que faz parte da Coleção Canaã, linha editorial do Arquivo Público voltada à história capixaba.

 

Lançamento

 

No lançamento, o Arquivo Público receberá representantes do corpo consular da Holanda, os diretores e personagens do filme, grupos de dança de tradição holandesa, descendentes zelandeses e o público em geral que queira conhecer um pouco mais sobre a saga dos imigrantes. Para recepcionar os convidados, o grupo Choro em Cena, composto pelos músicos Alexandre Araújo, Eduardo Martins, Higor Sartori e Régis Chuves, fará uma apresentação em homenagem ao Dia Nacional do Choro, comemorado no dia 23 de abril, para celebrar o aniversário de Pixinguinha.

 

choro em cena

Grupo Choro em Cena: Alexandre Araújo, Eduardo Martins, Higor Sartori e Régis Chuves

 

Sobre o filme

 

O filme, financiado em grande parte através de crowdfunding, foi lançado na Holanda há dois meses, com o nome “ Braziliaanse Koorts”.  Ele também poderá ser visto no Festival Film by the Sea, em setembro, na cidade de Vlissingen.Graças ao apoio do Fundo de Patrimônio Histórico Comum, através de edital do Dutch Culture, o documentário foi traduzido para o português, facilitando, assim, seu lançamento no Brasil.

 

apeesFebrecapadvd_reprodução

 

Os emigrantes zelandeses partiram  para o Brasil entre 1858 e 1862. Muitos deles eram agriculturos e artesãos desempregados, aliciados nas regiões rurais.  Eles não tinham a menor ideia do que os esperava no destino. Descendentes desses viajantes desafortunados continuam vivendo no interior do Espírito Santo.  Não faz muito tempo, esses “holandeses” continuavam sendo explorados e marginalizados. Um pequeno grupo ainda fala o dialeto da região rural de Zelândia, mais de 160 anos após a partida de seus antepassados.  São alguns desses brasileiros que contam sua história singular em “Febre Brasileira”.

Ao chegarem no Brasil, encontraram uma dura realidade. As confortáveis residências prometidas pelos aliciadores na Zelândia nada mais eram do que troncos de árvore cobertos com folhas de palmeiras no “Inferno Verde”.  Os zelandeses foram confrontados com discriminação e exploração, além de doenças.  Em casa, foram completamente esquecidos.  Até que, nos anos setenta da década de vinte, o casal de missionários Ton Roos e Margje Eshuis redescobriu os “holandeses” do Espírito Santo.

O filme “Febre Brasileira” fará uma turnê pelo Brasil.  Roos e Eshuis, autores do livro “Os Capixabas Holandeses, uma história holandesa no Brasil”, farão várias apresentações, inclusive, nas antigas colônias holandesas, no sul do Brasil e vilarejos do Espírito Santo, onde ainda há descendentes desses imigrantes.

 

cropped-header2website

 

Em 23 de abril, “Febre Brasileira” será lançado oficialmente no Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, com a presença de alguns descendentes, do casal Ton Roos e Margje Eshuis; do Dr. Gertjan Postma, linguista do Meertens Instituut; do Dr. Arjen Uijterlinde, Cônsul-Geral da Holanda no Rio de Janeiro, do Sr. Andreas Schilte, Cônsul Honorário da Holanda em Vitória; além dos diretores Monique Schoutsen e Arjan van Westen.

www.braziliaansekoorts.nl.

https://www.youtube.com/watch?v=CPnq0fj-WSA

https://www.youtube.com/watch?v=6nXyoY6MoXE

Para mais informações e imagens:
Arjan van Westen en Monique Schoutsen podem ser contatados por

Tel.: 0031(6)34401821

e-mail:   arjanvanwesten@gmail.com  

skype: arjanvanwesten

Febre Brasileira passará em:
10 abril, em Arapoti, Paraná (duas sessões)

11 abril, em Castrolanda, Paraná

12 abril, em Carambei, Paraná

17 abril, no Centro Cultural Terra Nova, Holambra, São Paulo.

Para informações sobre essas sessões e sessões extras no Paraná ou em São Paulo, favor contatar: anthonyroos@hotmail.com  tel: +55 27 9.9744.1231

23 abril, 19:00 horas: lançamento oficial de “Febre Brasileira”, no Arquivo Público do Estado do Espirito Santo, em Vitória.

Estarão presentes: Cilmar Franceschetto, diretor do Arquivo Público do ES; o casal Ton Roos e Margje Eshuis; o Dr. Gertjan Postma, linguista do Meertens Instituut; o Dr. Arjen Uijterlinde, Cônsul-Geral da Holanda no Rio de Janeiro; o Sr. Andreas Schilte, Cônsul Honorário da Holanda em Vitória, os diretores Monique Schoutsen e Arjan van Westen, além de descendentes de imigrantes Zelandeses.

Para informações, favor entrar em contato com Arjan van Westen e Monique Schoutsen, Ton Roos e Margje Eshuis, e Cilmar Franceschettocilmar@gmail.com  +55 27 3223-2952

A partir de 25 de abril, o filme será rodado em vilarejos do Espírito Santo, como   Holanda, Holandinha, Melgaço e Garrafão. Presentes estarão o casal Ton Roos e Margje Eshuis, além de descendentes de imigrantes zelandeses.  Para informações sobre essas sessões, favor contataranthonyroos@hotmail.com  tel. +55 27 997441231

 

Serviço

 

O lançamento do documentário Febre Brasileira: uma emigração zelandesa esquecida será realizada na próxima quinta-feira (23), às 19h, na Sede do Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Rua Sete de Setembro,  414, Vitória. A participação é livre. 

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado.

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>